quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Do pecado da gula


























Pixie Lott fotografada por Ellen von Unwerth

Há um episódio da série "O Sexo e a Cidade" em que a Miranda decide fazer um bolo de chocolate e não descansa enquanto não o devora todo. Começa por uma fatia. Depois outra. Depois outra. Depois tenta arrumá-lo e diz para si mesma que já chega, mas quando dá conta já está a voltar à cozinha e a cortar mais uma fatia. Sem conseguir parar. Até que, farta daquela gula, num ataque de fúria, o atira para o balde do lixo. Mas isso não resolve o assunto, uma vez que, passados alguns minutos de o bolo estar ali, continua a cortar fatias e a comê-las como se não houvesse amanhã. A saga só termina com ela a encher o bolo de detergente da loiça para assim não cair mesmo em tentação. O meu comportamento perante o bolo de chocolate que se encontra na bancada da cozinha tem sido extremamente parecido com o da Miranda. Já perdi a conta às fatias que comi e, ainda assim, não consigo parar. Sei que já devo estar com mais uns cinco buracos de celulite no traseiro e mais uns dez quilos de banha à volta da cintura conta disto, mas ainda assim não consigo parar. E só não fiz ainda o tratamento de choque da Miranda, por se tratar de um bolo feito com tanto amor e carinho pelos dois seres mais do que perfeitos que habitam esta casa.

6 comentários:

ana disse...

comia agora umas fatiazinhas!

Devaneios.de.mestra disse...

Vá se é assim tão bom também queremos a receita :)

Marta FG disse...

Que se lixe a celulite e as gordurinhas. O que eu não dava para comer agora uma fatiazinha. Bj grande

Tamborim Zim disse...

Ah mas, nesse caso, o bom do bolo só pode fazer bem!;)
A mim aconteceu-me avidez igual com a minha caixa de Mon Chéri...Hélas, foram-se-me rrsrs

Green disse...

Tens de ser mais forte do que o bolo :)

Clau disse...

ohhh, se foi feito por eles... o mínimo que podias fazer era, realmente, comê-lo quase todo... quase porque deixavas uma fatia para os dois repartirem.. ;)