domingo, 30 de junho de 2013

The Great Gatsby

As obras magníficas são sempre difíceis de levar para o cinema. Sabem sempre a pouco nas telas e parece que o esforço dos realizadores é quase sempre em vão - nada igualará o encanto da obra. Tem acontecido isso com o "The Great Gatsby". Fui finalmente ao cinema ver a versão do Baz Luhrmann e até gostei. Mas gostei, não pelo que o realizador fez pela história, gostei porque a história é demasiado interessante para não se gostar. E, pronto, cá vai o problema das expetativas altas. Achei todo o filme demasiado frio e não vi grande química entre as personagens, muito menos entre o par principal. O que sobra em espetáculo visual, falta em emoção (ao contrário de Moulin Rouge, do mesmo estilo e do mesmo realizador, que me emocionou imenso). E não me pareceu nada bem o Leonardo di Caprio no papel de Gatsby (já o vi com desempenhos bem melhores, neste filme, na maior parte das vezes, parecia apenas um tolo com tiques forçados), pelo contrário adorei o Tobey Maguire no papel de Nick Carraway.

2 comentários:

Heriwen disse...

A minha opinião é exatamente a mesma! Muito visual (guarda-roupa fantástico!), pouco emotivo. Até fiquei com curiosidade em ler o livro original, para aprofundar o conhecimento da história!

Ângela Ferreira de Sousa disse...

Nunca li o livro mas estou bastante curiosa em relação ao filme e ao livro que gostaria de ler em breve!
Concordo contigo, um livro adaptado à Sétima Arte sabe sempre a pouco...