sábado, 11 de maio de 2013

Das séries que nos marcam
























Comecei a gostar verdadeiramente da série "Sex and the City" por volta da terceira temporada. Não, não gostei logo das quatro no início. Não me identificava com qualquer uma delas e achava tudo demasiado exagerado e demasiado promíscuo. E, agora que ando a rever a primeira temporada da série, a única que não tenho em dvd, e que está agora a passar na Fox Life, tenho confirmado isso. A Carrie, então, é a mais tola. E continuo sem perceber como é que no final da série e no filme ela fica com o Big, se aquela relação nasce torta desde o início e a piquena passa a vida a contentar-se com migalhas.

10 comentários:

xana disse...

Não podia concordar mais...

Ana Ricardo disse...

Sim, aquela relação...esteve sempre condenada! Só acontece nos filmes...

Ana Sofia Santos disse...

e sendo o big um traste

Ines Sampaio disse...

Boa noite,

O meu nome é Inês Sampaio. Estou a fazer a tese para o mestrado de Sociologia sobre a interacção via blogues. Li o seu blogue e gostaria de saber se estaria interessada em conceder-me uma entrevista e falar sobre o tema. A entrevista é confidencial, anónima e será gravada para posterior transcrição.

Fico à disposição para esclarecer quaisquer dúvidas e, agradecendo desde já a sua disponibilidade, apresento os meus melhores cumprimentos,

Inês Sampaio

Nut-ella disse...

Verdade, verdade! Eu sempre adorei SATC, adoro a Charlotte na sua ingenuidade, o sarcasmo da Miranda e a Samantha por tudo o mais, é a minha favorita e a mais engraçada, mas a Carrie sempre me foi aos nervos cá de uma maneira! Na vida real ela nunca ficaria com o Big e ainda bem para ela, porque ele é um salafrário lol ficaria, se tivesse essa sorte, com o Aidan, que era demasiado bom para ela, a tolinha. Claro que é uma série exagerada e ninguém é como uma das quatro (embora tenhamos todas um pouco de cada uma), mas isso faz parte do conceito. Foi uma série muito importante no seu tempo, falou da sexualidade e intimidade feminina como nunca se tinha falado antes e por isso até lhe chamam revolucionária, além de obviamente feminista. Eu tenho adorado rever a 1ª season.

Belicious disse...

Também acho que ela merecia um fim melhor, um homem mais à altura, depois de todas as provas que o Big dá de ser um egoísta. Mas deve ser apenas para passar a mensagem de q o amor pode ser bem caricato ;)

Catarina M. disse...

parece que andou tudo a ver o Sexo e a Cidade nos últimos tempos... :) eu vi tb os alguns episódios que deram na Fox Life, mas a impressão com que fiquei foi que a Carrie era um bocado destrambelhada e, até, complicada porque se o 1º encontro com o Mr Big é ocasional, os restantes não o são e claramente é ele que anda atrás dela (com as boleias de carro, o ir ter com ela ao café onde ela costuma estar a escrever, etc.) ... dp não vi mais e não me recordo da cronologia da série, mas ao ver estes primeiros episódios, a ideia com que fiquei é que desde o início ele gosta dela...

Kitty Fane disse...

Inês Sampaio, neste momento o tempo que tenho disponível para assuntos relacionados com o blogue é escasso. Por isso, agradeço muito o convite, mas não sei se será possível responder ao seu pedido. :-S

Tenho Ditto disse...

Também ando a rever a série toda na Fox Life e é engraçado como passamos a ver as personagens depois de lhes saber o destino final. Não me lembrava que a Carrie era tão insegura. O Mr. Big certamente não foi flor que se cheire, mas a Carrie em determinadas alturas também me parece um pouco stressada com as questões da relação, demasiadas perguntas, demasiadas dúvidas, demasiados 'Ses'. De qualquer modo, continua a ser a minha série de eleição.

GATA B. disse...

E numa relação há sempre um que dá tudo de si e outro que se deixa levar pela corrente... A relação do Mr Big e da Carrie é um belo exemplo disso. A Carrie tem perfeita noção que merece muito mais mas mesmo assim aceita as migalhas do Mr Big como se ele fosse o último copo de água no meio do deserto...