quarta-feira, 2 de março de 2011

Da adopção

Elle Fanning

Se me perguntarem qual foi a melhor decisão que eu tomei em toda a minha vida, eu digo sem hesitar que foi tê-la adoptado. Eu sempre tive o sonho de adoptar, é certo, mas sempre pensei nisso como algo utópico, uma vez que era solteira e sem namorado e as probabilidades de isso acontecer seriam praticamente nulas. Também nunca fui daquelas pessoas que pensava - depois, caso não possa ter filhos, adopto. Que é o mais comum, e que, confesso, me causa alguns fornicoques. Adoptar nunca, mas nunca, devia ser um plano B, uma segunda opção. Como não consigo ter um filho meu, vou arranjar um que não é meu para tapar esta ferida que aqui ficou. Nada contra, atenção. E é melhor isso, sempre se tira uma criança da solidão, mas eu nunca vi a adopção dessa forma. Eu, podendo ou não ter filhos, sempre tive esse sonho, ainda que longínquo.

Bom, estava eu a dizer, depois apareceu-me a princesinha, sem qualquer intenção de que eu a adoptasse. Conhecemo-nos e começámos a ficar cada vez mais próximas. Ela de mim, e eu dela. E a dada altura já não conseguíamos estar muito longe uma da outra. Já não conseguíamos estar muitas horas uma sem a outra. E houve um dia em que, depois de ela ter vivido um inferno, eu decidi mesmo trazê-la para minha casa, custasse o que custasse, correndo os riscos que corresse, remando contra a maré, e indo contra todos os velhos do Restelo que nestas alturas de dar grandes passos aparecem sempre vindos de todas as direcções. Porque era isso que ela queria e porque era isso que eu queria. E hoje, passado mais de meio ano de a ter cá em casa, só Deus sabe o quanto me orgulho de um dia ter tomado essa decisão. Ela mudou a minha vida. Para melhor. Sempre para melhor.

44 comentários:

CS disse...

É uma utopia é verdade, mas quem dera o mundo ter mais pessoas que pensassem dessa forma. Fico tão mais feliz quando vejo uma vida que foi salva do que quando vejo uma vida que nasce.
E fico muito feliz por uma (melhor, duas) vidas salvas, uma pela outra. Um mundo de amor para as duas, um mundo de sonhos e muita, muita coisa boa. Toda a sorte do mundo.
P.S. Um dia sei que farei o mesmo (sempre o soube independentemente de tudo) e que também eu vou e serei salva.
Abraço sentido.

Scarlet_Perry disse...

Parabens!*
Que sejam as duas sempre muito felizes!

rm disse...

Também sempre quis adoptar, independentemente de conseguir ter filhos meus ou não. Espero que a estabilidade um dia mo permita.

Paty Michele disse...

Que bonito isso, Fane.
É mesmo linda essa história de vocês três, parece coisas de outras vidas (para quem crê nelas).
Isso é prova de que o amor é forte e verdadeiro.

Mie disse...

Nao podia deixar de comentar este post.
Eu fui adoptada ha muitos anos e foi a melhor coisa que me aconteceu. Fui criada com muito amor,fui desejada, tive uma infancia super feliz e isso marca-nos para o resto da vida.
Hoje com 37 anos tenho a minha filha mas o desejo de tambem eu adoptar, de poder dar felicidade e ser feliz com mais um memnbro da familia. Porque o amor nao se divide mas multiplica-se e quando se tem muito para dar, quanto mais melhor.
Nao tenho duvidas que continuarao a ser muito felizes e ate esta historia me faz feliz. Saber que ha pessoas com grandes coracoes e que nao fazem distincoes.
No passado dia 28 fez 35 anos que fui para casa dos meus pais e soube muito bem receber o telefonema do meu pai a relembrar esta data tao importante nas nossas vidas.
Tudo de bom :)))

Mary disse...

A adopção sempre foi uma escolha, primeira ou segunda não interessa, o que interessa é que sempre esteve presente na minha vida,na nossa vida, mas só com estabilidade é que foi possível preencher os papeis e entrar nessa aventura, sim porque é mesmo aventura que faz qualquer pessoa normal se passar com tempos de espera, porque primeiro que a criança venha demora uns bons pares de anos, mesmo sendo como o nosso caso que nem é de um bebé estamos à espera.

Rubi disse...

Uma bonita historia Kitty. Felizmente o mundo tem pessoas como tu!

Manuela disse...

Querida Kitty, é de uma grande coragem o acto de adopção, talvez mais do que ter um filho biológico, porque este algumas vezes acontece por puro acaso e aquele, é um acto bem pensado e amadurecido.
Beijinhos.

Ana disse...

Então, vieram melhorar e colmatar essa falta na vida uma da outra... Nada melhor. :)

RBM disse...

=)

Luciana disse...

Só há um nome para isso: amor.

Framboesa disse...

Se algum dia vier a ser mãe...tenho como primeira opção a adopção...Não perguntes porquê, mas tenho...é uma especie de missão, sei lá...mas é algo que sinto com muita força vindo das entranhas (ou do coração?)

Ba disse...

A vossa história de facto é invulgar e comovente. Também quero muito adoptar, mas ouvimos constantemente que é um processo moroso. Pelo que percebi da tua história foi uma adopção um pouco diferente. Ou seja, trataste de tudo legalmente?

Queen of Hearts disse...

Apesar de acompanhar o desabrochar desta tua relação com a tua princesinha, também não tinha percebido que ela tinha sido formalizada desta maneira. Fico muito feliz por ambas! E que continue, todos os dias, a ser uma recompensa para as duas, como tem sido até hoje.

Dulce disse...

A tua história é, além de bonita, um exemplo de coragem e de amor! Ter a capacidade de amar e proteger alguém que aparece nas nossas vidas «do nada» não é para todos... E um dia ela vai orgulhar-se de ti e desse gesto e vai retribuir tudo o que lhe deste!

Paula Galego disse...

tão bom :)
uma linda história de amor

Pinky disse...

Quanto a mim as decisões mais acertadas são as tomadas com o coração, poucas são as pessoas com essa coragem. Muitas felicidades!

Hubner Braz disse...

Linda Mensagem...

BJs

Simplesmente Ana disse...

Nunca tive esse "chamamento" mas admiro imendo quem dá esse passo. Fiquei a gostar mais da pessoa por trás deste blog.

GuroZen disse...

Que bom, Parabéns!

sophie disse...

É bom saber que existem pessoas como tu!!!E é bom saber que estão felizes as duas... Os três!!! :)
Que continuem sempre assim, Felizes... Cada vez mais...

Eu ao contrário de muitas pessoas, cada vez gosto mais deste blog... Porque quando mostras um pouco mais da tua natureza, eu gosto mais de ti, e do teu blog...
:)

mjoaob disse...

Que bom. A vida dá mesmo tantas voltas...bjinho gde

Mia disse...

Parabéns!Porque não é qq pessoa que é capaz de tamanho acto! E que bom é sentir que ela te faz feliz e tu a ela.
beijinho

Jo disse...

:) sempre pensei nisso. mas também acho que sendo solteira será complicado...mas (e tu és prova disso) ser complicado não significa que seja impossível. :)

M.LipGloss disse...

Amor, Amor e amor ;)
Deixei um selo para ti no meu blog!!
Com ternura :)

António Prates disse...

Uma nobre composição de palavras intemporais aos olhos daqueles que sentem e daqueles que desfrutam o sentido mais cristalino da palavra amor. Este texto fez-me revivescer a decisão mais digna de entre todas as decisões que concluí até hoje. E hoje - vinte anos passados sobre a juventude dos meus vinte e quatro anos – sinto-me muito mais digno. Tenho uma família grande e feliz.

MissBlueEyes disse...

Oh Kitty, até fiquei de lagriminha no olho...

Eu penso exactamente como Tu, adorava adoptar uns quantos filhos, assim que me saia o euromilhões adoptava prai 4 crianças, nada de bebés porque esses toda a gente quer.

Fico tão feliz de ler estes teus posts. Ainda me lembro de quando te comecei a ler. Não era nada disto.

Muitas, muitas felicidades!!!! :) E as melhoras.

♥pézinhos de lã♥ disse...

subscrevo quase tudo o que descreves neste post...há muitas semelhanças nas nossas 'histórias'. e todos os dias penso que adoptar a minha Inês foi uma das melhores decisões que algum dia pude tomar :)
felicidades

sofia disse...

:)
Parabéns!!!

Mnemósine disse...

É lamentável que o sistema de adopção português seja tão moroso e que se "obrigue" crianças que já estão em situação de adopção a passar mais tempo sem uma família.

Dudu disse...

Isso é ser mãe, cuidar, proteger e amar.
Parabéns.

Juanna disse...

Não percebo nada do que dizes, só sei que estás com uma criança que não nasceu de ti e a única coisa que posso dizer é "bravo".

sascha disse...

:-) mágico....és especial.

Paula Costa disse...

Parabéns Mãe (Kitty).


Paula Costa

Ana C. disse...

Que maravilha :)

Ju disse...

É sempre de louvar quando alguém decide abrir as portas da vida e do coração a quem não gerou e a quem, muitas vezes, conheceu pouco tempo antes da decisão. É de louvar o gesto e o compromisso que isso implica. Sabia que, a regime de excepção, o sistema brasileiro permite a adopção de jovens com mais de 18 anos, mas desconhecia que o mesmo pode acontecer no sistema português.

Tanita disse...

E esta é uma forma de amor tão genuína e bonita.
Bj**

Miss Kitty disse...

Lindo texto. Não fazia ideia que a tinhas adoptado apesar de ao ler-te pensar muitas vezes nessa possibilidade. Muitos parabéns. Por lutares contra todos e fazeres aquilo que o teu coração mandou.

Bjinho**

Marta disse...

É bom que existe pessoas assim, que dão mãe a alguem quando mais precisam. Principalmente a uma princesinha que tanto precisa :)
beijinhos

Palco do tempo disse...

ADOREI o que li :)

kiss kiss

estadosdalma disse...

Parabéns às duas por esse novo rumo!qua a vida seja maravilhosa com ambas...sempre :)

myrtille disse...

Acompanho o teu blog há algum tempo e são post como estes que me fazem acreditar. Muitos parabéns pela tua nobre atitude. Que a vida vos sorria sempre e te retribua em dobro.Felicidades.

·٠•●♥♥ Magic Candy ♥♥●•٠· disse...

Gostei muito de tudo o que li!! Concordo com cada frase pois penso da mesma maneira!! E eu sempre quis e quero adoptar, e o seu testemunho só me deu mais forças, para que mesmo que esteja só seguir e lutar por este meu sonho!!
Beijinhos para as 2!!

beijinhos doces

http://magiccandy2010.blogspot.com/

Mãe adoptiva disse...

Kitty, leio o seu blog há cerca de 1 ano, e foi o seu blog que me fez criar o meu. Fui lendo quando encontrou o seu amor e quando adoptou a sua princesinha. Este ano, faz agora cerca de um mês e meio que adoptei uma filha, o que também me levou a ter mais vontade de criar um blog.
Revejo-me muito nas suas palavras. Há poucas coisas no mundo tão especiais como adoptar. Sinto que aprendi mais sobre o amor, do que poderia ter aprendido com milhares de livros sobre o assunto.

Beijinho e felicidades para as duas :) que a vida nunca vos separe!