quinta-feira, 17 de junho de 2010

Já viram para o que uma pessoa está reservada?


Naomi Watts fotografada para a Vanity Fair Italia por Ben Watts

Ontem, quando me preparava para estacionar o carro à porta da escola, dei conta de um acidente - dois carros bateram. Um que vinha a sair de um stop e um que vinha a sair do estacionamento. Não percebo se pararam, se estavam a andar, nada. Só me apercebi que bateram, e eu estacionei e fui para a escola. Entretanto (segundo me disseram hoje), parece que um se deu como culpado e preencheram uma declaração amigável (não sei se ficou completa) e, dessa forma, não chamaram a polícia. Mas, entretanto, parece que o que se tinha dado como culpado recuou e começou a culpar o outro.

Como não se entenderam um com o outro, decidiram azucrinar-me a cabeça. Descobriram que eu sou professora naquela escola (moram ambos ali na zona) e vá de me virem chatear ao meu local de trabalho para eu dizer coisas que eu não tenho a certeza que aconteceram e como aconteceram, com um choradinho à mistura para que eu tenha pena. Um deles estava há bocado à minha espera quando eu saí, com um bebé ao colo.

Ora, se eu tivesse mesmo a certeza do que tinha visto e tivesse prestado atenção a todos os pormenores, eu teria todo o prazer em ajudá-los, mas isso não aconteceu. E eu não vou testemunhar uma coisa (prejudicando uma pessoa e favorecendo outra) da qual eu não tenho a certeza. E já reparei que um, pelo menos, quer vencer-me pelo cansaço.

12 comentários:

Rita disse...

Que situação :S

tiago disse...

já percebi a utilidade dos bebés... Sarcasmo.

[Que]Nina disse...

pdir para testemunhar algo q a pessoa nao viu?

mais vale por se de joelhos e implorar va pf mente pa m livrares desta!

q cena! sinceridad acima d tudo!

Sunrise disse...

lolololol há muitos anos tb presenciei um acidente, mas como o polícia foi tão brusco comigo disse-lhe logo. "Não vi nada". Paciência.

A mamã da Beatriz... disse...

Se eles te meterem como testemunha, só tens de dizer o que "não) viste! Ser testemunha é uma treta! Imagina estares de férias, ou mesmo a trabalhar, e teres de testemunhar...

Dulce Alves disse...

Ser testemunha não é uma treta, como por aqui já disseram, é um acto cívico, isso sim.

É ajudar a resolver uma situação complicada como é ter um acidente, por mais pequeno que ele tenha sido e por poucos danos que tenha havido.

No dia em que as pessoas que acham que "ser testemunha é uma treta" tiverem um acidente, quero ver como resolvem as coisas se não houver concordância quanto aos culpados e se souberem que há alguém que viu e as pode ajudar...

No teu caso, Kitty, naturalmente que não faz sentido seres testemunha se mal visualizaste o acidente e se não estás certa do que aconteceu. Há que explicar-lhes isso..!

Patricia disse...

Se nao viste claro que nao tens que testemunhar nada...e uma situacao bastante chata. Nao deixo no entanto de ter pena daquele que nao e culpado e na boa fe confiou no outro que se deu como culpado (se realmente o culpado e o que se deu como culpado de inicio).
No entanto vejo aqui comentarios a dizer pra se dizer sempre que nao se viu nada...se fosse convosco adorariam tar na situacao em que quem tava no local diga que nao viu nada nao era???!!!!
Mentalidades....

Olhos Dourados disse...

Que situação!

prada disse...

Ai estas comentadoras (algumas)que não sabem, como muito bem disse a Dulce , que se trata dum dever civico!
Um dia saltou-me uma adolescente para cima do capot provocando-me um prejuizo de 300 euros e a multidão curiosa, em furia pôs-se toda contra mim.
Primeiro porque sou mulher , depois porque se tratava duma criança.
Oh God, os anjinhos vieram em meu socorro e surgiu alguem que tinha na verdade visto o acidente, que convenceu a policia, que efectivamente aceitava a minha versão por ser tão obvia, mas uma testemunha salvou-me e não conhecia, nem pude agradecer a boa moral que ainda há quem tenha!
Claro que quem não viu ,não deve testemunhar , porque acima de tudo está a verdade, sempre!

tiago disse...

Vai ser giro, um tem um stop que o obriga a parar, e o outro sai de "propriedade privada" e é também obrigado a ceder a passagem. mesmo assim o do stop é capaz de ganhar, pois estava na via publica. De todo modo, se derem o seu nome para testemunhar será obrigada a fazêlo, o que será um gasto de recursos pois vai ocupar o seu tempo e no fundo não viu nada que possa desempatar a situação.

A mamã da Beatriz... disse...

Realmente ser testemunha de uma coisa que não viu, passo a citar a Kitty "Não percebo se pararam, se estavam a andar, nada. Só me apercebi que bateram, ", ela vai testemunhar o quê? Que não viu o que aconteceu? Vai inventar? Que viu a posição em que ficaram 2 carros num sinistro...ora isso pelos visto ficou na declaração amigável... Não me parece civismo dizer que viu, quando não se apercebeu o que, de facto pode ter acontecido. Cívismo sim, é se virem como decorre o sinistro! Aí sim, agora se a rapariga não viu o sinistro, como vai testemunhar... inventa-se e protege-se um deles?

Patricia disse...

Cara mamã da Beatriz, não sei se leu com atenção mas os comentários que defendem que ser testemunha CASO REALMENTE SE SAIBA O QUE ACONTECEU é um dever cívico, falam no geral tal como a mamã da Beatriz falou ao dizer que "ser testemunha é uma treta". No caso da Kitty Fane acho que todos estamos de acordo que se não viu claro que não vai testemunhar aquilo que não viu. O que não estou de acordo é com o seu comentário a dizer que testemunhar é uma treta...a partir desta frase vê-se logo que tipo de pessoa é...acho que me faço entender...