segunda-feira, 1 de março de 2010

Fumar - O pior é mesmo começar


Isabeli Fontana

Se há coisa que está completamente out é fumar. Não se usa. Está fora de moda. E, que me desculpem os fumadores que lêem este blogue e que eu sei que são uns queridos e sofreram muito, mas esta lei anti-tabaco foi uma das coisas melhorzinhas que se fez no nosso país nos últimos anos. Ainda me lembro de ir lanchar ou jantar a qualquer lado e sair de lá prontinha para seguir para o banho, tal não era o cheiro que se entranhava na roupa, na pele e no cabelo.

Neste momento, sinto pena dos fumadores. Porque são dependentes de uma coisa. E as dependências são as coisas mais lixadas que existem. Porque eu sei que acabam de almoçar ou de jantar e já estão a pensar no cigarro que vão fumar a seguir. Fazem uma viagem de avião e estão a pensar no cigarro que vão fumar quando aterrarem. Vão ao cinema ver um filme e, se este demora muito, já ficam aflitos por causa do cigarro que vão fumar no final e que o seu organismo pede.

Os fumadores não são pessoas livres. Estão sempre a pensar no próximo cigarro que vão fumar. E isso não é liberdade. Não me venham cá com histórias. Além do mal que faz à saúde a longo prazo, quando já não há nada a fazer, e que eu já presenciei. Do mal que faz ao hálito. Do mal que faz aos dentes que ficam amarelos. Do mal que faz à pele que escurece. Do mal que faz à carteira.

Quando eu fui operada, o que mais via por aqueles corredores eram senhores que tinham sido operados à garganta, completamente deformados à base de traqueotomias e de tubos no nariz, a babarem-se sem poderem fazer nada para o controlar. E uma das coisas que eu soube através do meu médico foi que todos eles fumaram muito durante muitos anos. Sim, não são só os pulmões que sofrem, é também a garganta, o esófago...

Tenho pessoas muito queridas que ainda fumam (os que fumavam, já deixaram quase todos de fumar) e nunca lhes digo para deixarem o tabaco, porque são adultos e não é por eu lhes dizer isso que o vão deixar, mas, assim como quem não quer a coisa, falo-lhes de algumas coisas que vejo no hospital quando vou às consultas. E a resposta deles é sempre a mesma : deixa lá, nós todos temos de morrer. Mas o problema não é morrer, o problema é ficar cá a sofrer e a fazer sofrer os outros por uma coisa que poderia ter sido evitada. Já basta aquelas, como foi o meu caso, que não podemos evitar.

24 comentários:

Anônimo disse...

ola concordo contigo em tudo, o que escreves te sobre o cigarro...

Todos iremos morrer, mas que a morte nao seja dolorosa e cruel...
gosto muito de ler o teu blog...
bjs
cristina
perdidosemafrica

ffiffas disse...

Eu concordo, sem dúvida, mas apesar do tabaco potencializar as probabilidades de algo acontecer, não podemos nunca afirmar que a culpa é do tabaco. Por exemplo, há tanta gente a morrer de cancro do pulmão que nunca fumou na vida! Eu já vi tanto, que acredito piamente que o que terá que ser, será - com ou sem tabaco. Mas não deixo de concordar com tudo!

Precis Almana disse...

Eu, ex-fumadora, aplaudo o que escreveste. E é isso mesmo, falar sem medos do lado terrível é importante porque nem toda a gente sabe exactamente o que pode acontecer...

Su disse...

Já fui fumadora e a verdade é que quando fumamos não nos apercebemos do cheiro pestilento que temos e do que incomodamos os outros com o fumo do cigarro. Não nos apercebemos do cheiro intenso a tabaco nem do incómodo que isso é para os outros. Eu fumava antes de ir para casa, convencidissíma que quando ia cumprimentar os meus pais já não cheirava a tabaco, o que constato agora que não fumo é irreal! Pois um não fumador dá logo com o cheiro incomodativo dos cigarros.
O pai de uma amiga minha morreu com cancro nos pulmões e digo-vos não é uma morte que se deseje a ninguém. Faz-nos pensar que se já é mau aparecerem doenças sem fazermos nada para que isso aconteça, para quê estar a contribuir para o nosso sofrimento?
O problema é que as pessoas até passarem por uma situação destas não lhe dão valor, eu infelizmente estou a passar por uma e não há pior sensação do que a impotência de fazeres algo contra uma doença que te aparece sem teres feito nada por isso!

Guilherme Pereira disse...

Sem fundamentalismo(s), e há tantos para todos os gostos, SUBSCREVO na íntegra este texto.
Bem esgalhado!

Mau Feitio disse...

Parabens pelo post, mto bom.

sofia disse...

Concordo absolutamente contigo.
Eu já fui fumadora, mas felizmente aproveitei o facto de ficar grávida e deixei. Notei grandes mudanças principalmente ao nível do hálito e da pele ( já para não falar na carteira:).
Noto que as minhas amigas que ainda fumam parecem ter um ar mais envelhecido e muitas mais rugas
( principalmente ao redor da boca.)

Já agora, parabéns pelo blog que acompanho há muito, mas só agora comento ( aprendi tarde).
Bjs,
sofia

Anônimo disse...

Sou fumadora mas concordo com o que escreveste... e não me faz confusão nenhuma a lei anti-tabaco... eu fumo mas sei que devo respeitar quem não o faz... eu não sou assim tão dependente quanto isso... sou capaz de passar horas sem fumar... porque que fumo? por pura parvoice talvez... mas infelizmente dá me prazer fumar...

Anónima 1

Marisa disse...

Concordo com tudo o que foi dito. Felizmente faço parte do grupo de pessoas não-fumadoras. A minha saude agradece e a carteira tambem

Rita C disse...

Verdade verdadinha... o meu papá deixou de fumar qd apanhou um susto do caneco precisamente por causa de uma infecção na traqueia provocada pelo tabaco. Levou mesmo um ultimatum... se vc continua a fumar vai ter que ser operado... e deixou... custou-lhe horrores mas conseguiu. O meu pai fumou um maço de tabaco por dia no minimo durante 50 anos.

Beijos

Rita

prada disse...

É um prazer que não compensa a dor que normalmente vem a provocar mais cedo ou mais tarde.Nunca nos devemos reger pelas excepções!
Fui fumadora e sei do que falo.
Abandonei há 12 anos, porque andava a interiorizar há muito que tinha de acabar.
Fiz todas as experiencias e nada resulta, apenas e tão só a nossa força de vontade.
Tem de ser uma decisão consciente e duma vez por todas.
Há alguma dose de sofrimento nos 3 primeiros dias , depois vai atenuando até á vitória final e o orgulho que se se sente por se ter vencido é tão grande, que vale a pena.
Estou a alongar-me mas a semana passada faleceu uma amiga que vivia há 4 anos com botija de gaz atras dela, os pulmões ficaram reduzidos a 1/3 da sua capacidade respiratória( enfisema)
É maravilhosa a sensação de não sermos escravas,não liberdade!
Bom post , porque se conseguires que um só dos teus seguidores fique a pensar.. já vale a pena!

prada disse...

Botijas de oxigénio queria eu dizer , desculpem o lapso, embora seja um gaz tb. Pronto já entenderam!

The Allure House disse...

Subscrevo inteiramente o seu post. Infelizmente como ex-fumadora experienciei durante os meses em que cedi à tentação algum mal-estar e tenciono não tenciono por mais vontade que possua voltar a fazê-lo. Sim, todos iremos morrer mas, morrer a sofrer é algo extremamente aterrador, especialmente quando isso acontece derivado da nossa falta de consciência. Há que falar sem medos deste assunto e tentar fazer com as pessoas ponham a mão na consciência e tenham a noção do seu acto além de nada saudável, simplesmente nada maturo.
Já agora, tenho a acrescentar que gosto de ler o seu blog e que não poderia ter abordado melhor o assunto. O que são precisas são mais pensas a pensar assim de modo, a que o mundo não se desgrace mais... literalmente.

entreotudoeonadapedeumdesejo disse...

Sou fumadora e não me orgulho disso (português suave vermelho, perdoa-me), mas enquanto andar a estudar nem vou tentar deixar pq sei que não adianta (e sei pq já experimentei), é o stress, é as noites, é tudo |:
E sei que tem razão em tudo o que disse...

Louise Hazel disse...

Concordo com absolutamente TUDO!!!!

Eu sou mto chata com isso. DETESTO que fumem ao meu lado.

E se há coisa que me faz MUITA confusão é ver uma grávida com cigarro na mão.

Bjs

Kikas disse...

concordo absolutamente! na minha família, há algumas pessoas que fumam.. as mais próximas são talvez o meu tio e a minha tia mas esses dois, graças a Deus!, deixaram. a minha tia por vontade própria, o meu tio por um susto.. e orgulho-me bastante de terem conseguido.
acho os jovens que começam a fumar agora bastante parvos. ainda por cima com tanta informação.. mas enfim, cada um faz a sua escolha!
é verdade que já experimentei, tinha eu doze anos, mas só o fiz por ter a noção que para mim seria só isso: uma experiência.

margarida disse...

Não sou tão comedida como tu quando falo com os meus amigos sobre isso, digo-lhes sempre que têm o direito de se matar à vontade, mas nunca de fazer sofrer a mulher/marido, futuros filhos, família e amigos. Não é justo para os outros. Não é.

Anônimo disse...

para quem nunca fumou é uma perfeita tontaria ou suicidio?.. para quem fuma/fumou não é simples..

porque será que eu voltei a fumar (passados 2 anos) nas escadas de um certo instituto (que deverá ser similar ao que referiu)na companhia da maioria dos médicos que tratam os casos mencionados... simples?? nem por isso..

bom post ...

c lf

R_UNIT disse...

Completamente apoiado! É horrível ter que levar com o fumo dos outros e chegar a casa com a roupa a cheirar a tabaco.

Martini Bianco disse...

Boas Kitty,

Tens toda a razão. Eu ja fumo ha uns bons 10 anos mas só este ano comecei a ponderar deixar, e isto deveu-se a uma viagem q ainda nao terminou. Nao sabia q no Brasil, e em especial no sul do Brasil havia tão poucos fumadores. Quando se fala em Brasil, e especialmente para os homens vem logo aquela ideia das bundinhas na praia e daqueles corpos de sereias (que é pura verdade) e muitas vezes não ligamos isso a habitos saudaveis. mas é o que eu tenho visto aqui. Nas praias do Rio de Janeiro até me senti mal a fumar nas ciclo vias com tantos ciclistas e pessoal a fazer jogging a minha frente, até cheguei a ir para o outro lado da rua. Raramente vi alguem a fumar ou a sequer beber alcool naquelas praias a nao ser claro, turistas europeus e americanos. Sendo assim e ao contrario do que muita gente pensa, não sao as plásticas que fazem da maior parte dos e das brasileiras mais saudáveis e esbeltas q os outros, mas as condiçoes climatéricas óptimas aliadas a um estilo de vida saudável. Quando voltar a lisboa terei mesmo q parar pois depois de tudo o que vi, vale a pena tentar.

LuLu disse...

O tabaco e a bebida levaram o meu pai quase à morte, inclusivé esteve em coma. Depois disso nunca mais tocou num cigarro e diz que não sente falta nenhuma.

No meu caso, odeio o meu cancro.
Orgulho-me de nunca ter experimentado um cigarro!

Aplauso a este post!

Um beijoquito!

Sabor Adocicado* disse...

Tens toda a razão. Entristece-me ver os meus amigos a fumar.. Eles sabem o mal que lhes faz e nem isso os pára. Mas são as opções deles. Eu também acho muito desagradável estar a tomar café ou a comer e a levar com tabaco em cima... Fica um cheiro no cabelo :X uii

Nuno disse...

Olá! Concordo contigo em quase tudo, menos no que diz respeito à lei anti-tabaco. Para mim, esta lei é uma fraude na medida em que não funciona na sua plenitude. Se formos ver os bares e cafés que admitem que se fume (e diga-se a verdade, para aí 95% inclui-se neste lote), as condições não são as melhores. Basta estar lá 5 minutos para a roupa ficar a cheirar a tabaco. É horrível. Esta lei até funciona muito bem nos restaurantes (e só por isso, já é uma lei excelente), mas nos bares e cafés falha redondamente. E isto sou eu a dizer, que na terra onde vivo a opção de escolha por um bar para não fumadores é praticamente inexistente.

Beijitos,
Nuno.

Violeta disse...

Completamente!