terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

O Amor é um Lugar Estranho - Pelos Leitores # 8


Julia Roberts e Hugh Grant em "Notting Hill"


Da autoria da Ana Catarina Ramalho

Apaixonei-me por ele no primeiro instante que o vi em cima de um palco. Assim que as luzes subiram e eu vi a sua face, com os olhos reluzentes, o meu coração vibrou e eu nem sequer sabia o nome do desconhecido que me provocava toda aquela reacção.

Diz-se que os melhores momentos da tua vida acontecem quando ‘menos esperas’.
Na verdade, andava há dias a ‘menos esperar’ que algo acontecesse, mas nunca pensei que fosse naquela noite, naquela peça de teatro.

Talvez seja por isso que o amor seja um lugar estranho, porque é um lugar cujo terreno nunca sabemos como apalpar porque de todas as vezes se torna diferente. É um lugar em que poucas vezes nos reencontramos, porque há sempre uma nova entrada mas as mesmas saídas: sofrimento ou felicidade.

Depois de ter saído daquele teatro vim para casa com o rosto dele preso no meu pensamento, passei os dias seguintes a pensar nele. Como é que algo assim, tão alheio à vida real, me tinha acontecido? Mais parecia cena de filme! E, muitas vezes, remexi no meu interior a pensar que aquela quimera tinha sido criada por mim para fugir à solidão que o meu coração sentia na época.
Decidi escrever um conto, passar para papel aquela sensação de estranheza que me galgava o bater do coração. Quando acabei e senti que o sonho tinha passado a ser físico, serenei.
Eis senão que o nome dele se atravessou o meu caminho e um remoinho de novas emoções se reiniciou e, dessa vez, eu decidi não parar.

Foi assim que descobri quem ele era e cheguei, no fim, a conhecer.

Tinha entrado, então, no lugar estranho a que o amor me tinha aberto às portas. Pela primeira vez na minha vida, sentia-me arrebatada por alguém que nunca tinha visto na vida.

Parece algo infantil, cinematográfico, às vezes faltam-me as palavras para o descrever porque, pura e simplesmente, não há palavras. E quando me apercebo disso o meu estômago embrulha, porque sei que, ao contrário dos filmes e sonhos, esta história não terá um final assim. E eu ainda não encontrei a saída deste labirinto.

7 comentários:

S. disse...

Achei o texto deliciosoooo :)

Andrea disse...

Muito bom!

prada disse...

Sofrimento ou felicidade, eu diria sofrimento e felicidade,é o que me tem acontecido!!!!

Cathy Oh disse...

Obrigada por postares o meu texto, Kitty! :)

Um beijinho*

Cathy Oh disse...

E esqueci-me de dizer (foi da emoção :P) que adorei a imagem que puseste. Notting Hill é, sem dúvida, um dos meus filmes favoritos! ;)

beijinho*

Adriana disse...

Muito bem, Catarina! :)
A minha prima é assim, um espanto! Foi uma agradável surpresa encontrar aqui um texto da minha prima, Kitty. Obrigada :)

Anônimo disse...

Gostei do apalpar terreno:PPPP