quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

O Amor é um Lugar Estranho - Pelos Leitores # 1


Marcello Mastroianni e Anita Ekberg em "La dolce vita"

Da autoria da Ana Catarina Silva.


"Se falar de amor é uma tarefa difícil, então escrever sobre amor é uma ilusória pretensão…

Não se pretende fazer uma revisão da literatura sobre o tema, nem discutir teses ou opiniões, apenas que estas linhas surjam como se pensa que o amor deve fluir: livremente.

Se se fala de amor desde que se fala de vida e se se fala de vida desde que se fala de morte, então fala-se de amor desde que se fala de morte. Este poderia ser perfeitamente um dos silogismos de Aristóteles e Platão. Mas, tal como os que são vulgarmente conhecidos através da lógica de Aristóteles, também este é digno de refutação…

Falar de amor significou, no passado, falar de morte, de desgosto e de sofrimento. Lembremos a literatura clássica, o romance de Romeu e Julieta ou a poesia de Bocage.

Platão, Aristóteles, Kant, associavam o amor à perda, à ausência; Shakespeare, à separação, ao desespero; Bocage, ao desprezo, à solidão. Para Camões, era “um fogo que arde sem se ver”; para Florbela Espanca era “alma, sangue e vida”; Para Ricardo Reis era “toque, carne”…

O amor está nas páginas dos livros, nas letras das músicas, nas imagens da publicidade, está em todo o lado, depende apenas do prisma através do qual o vemos.

Eduardo Sá, fiel descritor da realidade dos nossos dias, apresenta-nos seis amores, defendendo o sexto como sendo o especial, o único. Pessoalmente, concordo.

Penso que se se analisar a realidade actual, encontramos um retrato fidedigno do que é o amor, sem adereços, sem falsos moralismos, afinal já lá vai o tempo dos amores prometidos à nascença.
O amor existe. Sem a menor sombra de dúvida.

Existe nos momentos em que se sonha acordado, com a realidade que se quer construir, um dia.
Existe na mão invisível do pintor que borra o céu em tons de rosa, enquanto os condutores na sua azáfama, nem se apercebem do cair da noite.

Existe na delícia de um gelado que se saboreia em pleno Inverno.

Existe nas horas em que, incógnitos, passamos horas em frente à montra da loja de artigos para bebé.

Existe naquela letra de música que gritamos a plenos pulmões, na certeza de ter sido escrita para nós.

Existe em todas as promessas, feitas em silêncio.

Existe no toque firme da paixão.

Existe no olhar do homem que venera o sono da sua mulher, na esperança de vislumbrar uma curva, quente, da sua silhueta.

Existe, nas lágrimas que correm, à chegada e à partida.

Existe no animal que dorme, tranquilo ao nosso colo, confiando na mão que o acaricia.

Existe nas plantas que germinam, fruto da paciência e da dedicação.

Existe na lembrança, na saudade.

Existe nas cores, nos sons e nos cheiros que provocam sorrisos pela recordação de quem se ama.

Existe na coragem necessária para afastar o objecto do nosso amor, empurrando-o na luta pelos seus sonhos.

Existe na força com que se escolhem as melhores palavras para esconder o desespero que a ausência provoca.

Existe na loucura de dizer “adeus”, quando se quer dizer “fica”.

Existe na insanidade de confiar no outro, como em nós mesmos.

Existe na entrega total, de saltar sem rede, começando tudo de novo, infinitas vezes.

Existe na febre com que se diz “para sempre”, na consciência das dificuldades do amanhã.

Existe na mão do homem, que toca firme, na barriga da mulher onde cresce a esperança.

O amor existe.

É vida.

É onde tudo começa, onde nada termina.

Casámos, meu amor, porque te sinto em mim. Apesar do amor ser um lugar estranho. Ou exactamente por isso."

17 comentários:

ines disse...

Lindo, Lindo, mas que texto mais inspirado!

Concordo plenamente, posso assinar por baixo?

prada disse...

Construis-te um texto magnifico!
O amor é tudo isso que descreves!
Não conheço o sexto amor de que Eduardo Sá fala. Para mim só existe o descrito pelos clássicos
Sei que o amor é vida, é o que sinto!

Clau disse...

:)

Anônimo disse...

lindo,lindo,lindo...

Capitão Microondas disse...

bonito este post, mas já me fodeste o juízo para esta noite à conta desta brincadeira.

Marisinha disse...

Ai.. suspiros (L)

eu disse...

ADOREI este texto!!! Lindo!!! Com tantas referências a filósofos, será que foi escrito por uma filósofa?

Assim sou eu disse...

Amei!!!!!!!!!!!!!!!!!
Concordo com todas as afirmações!!! E sublinho: AMOR É VIDA :)

Vera disse...

Lindíssimo :-)

Anônimo disse...

lindo.

Estrelinha disse...

Olá!
Antes de mais agradecer-te a ti, por teres postado aqui o meu texto. Agradecer-vos a vocês pelos comentários lindos que aqui fizeram sobr e meu texto...Deixaram-me de lágrimas nos olhos por causa de tantos comentários, aliás, de cada vez que releio estas minhas palavras a emoção domina-me completamente...É que foi este o texto que escrevi para o dia do meu casamento, foram os meus votos para o meu marido! :o)
Humm....Não sou filósofa, sou psicóloga.. ;o)
Um beijinho grande para todos,
Ana Catarina Silva (cor-de-rosa).

Anônimo disse...

Adorei! Está lindo ...

Ai o amor ...:)

Dinis Gorjão disse...

este texto está absolutamente fenomenal, acabei de o difundir pelos meus contactos de email para que mais pessoas o possal ler.
Bonito, muito bonito.

Capitão Microondas disse...

Tive de referir este texto no blogue, dou os parabéns à leitora (apesar das comichões que o texto me provoca).

Anônimo disse...

Lindo. Linda esta declaração de amor.

Parabéns a quem escreveu e ao destinatário de tão belas palavras.

Helena

fd disse...

Existe.

dream* disse...

Oh, está tão lindo! É mesmo isto!! :)