segunda-feira, 23 de novembro de 2009

E chegou a hora de revelar o vencedor do concurso


Marion Cotillard

Em primeiro lugar, agradeço do fundo do coração todos os textos lindos que me enviaram. Ainda não tive tempo de agradecer um a um (e desculpem-me também, as pessoas que me têm enviado outros e-mails, por não vos ter respondido, shame on me) mas vou fazê-lo em breve. Para além do texto vencedor que vai receber o kit-amor-é-um-lugar-estranho, os meus favoritos irão aqui ser publicados semanalmente e sem qualquer ordem de preferência numa rubrica à qual chamarei: "O Amor é um Lugar Estranho - Pelos Leitores".

E o texto vencedor é, tcharan:



O AMOR É UM LUGAR ESTRANHO

Uma sala com quatro paredes, mais ou menos como na canção. Não tinha tecto, não tinha nada. A mensagem dizia “ou sais daí, mesmo que em pijama, ou eu começo a buzinar até alguém chamar a polícia”. Mas como queres tu que saia? Parece que foi ontem. Parece que foi ontem que depois de mais de 300Km te vi na areia, nos braços dela. E eu, míope assumida, reconheci-te ainda do paredão porque, na verdade, tu sabes que eu sempre soube. A incomensurável verdade, meu amor, é que tu nunca foste meu.

Será que ainda lembras o dia em que cheguei a casa num mar de lágrimas, o dia em que morreu o miúdo de três anos por quem eu estava completamente apaixonada? Talvez não lembres… Afinal… São todos os dias assim. Eu grito, choro, não aceito a injustiça. E decido que é desta que vou mudar de emprego e de vida ou, pelo menos, fugir daquela pediatria oncológica que me esmaga. Há lugares que matam a gente, e eu sinto-me a morrer... Cada dia um bocadinho mais. Tu dizias que um dia ia acostumar-me, acho que era essa a palavra. Mas hoje, meu amor, foi um dia igual. Tinha 6 anos. Chamava-se Carlota. E eu nunca me vou acostumar à ideia do vazio que fica na terra sempre que o céu decide levar mais uma estrelinha.

Desde o dia em que vi, em que te vi com ela, tenho insónias. Eu que mal chegava à cama ficava a dormir. Já viste o que as coisas mudam? E ainda consigo ver os reflexos do teu cabelo no momento em que estendi a toalha ao vosso lado e fiquei assim, a menos de um metro do lugar onde há segundos a beijavas, com o ar mais sereno do mundo, como se eu não fizesse parte daquela história.

Tu foste embora e eu tenho tanto para te dizer. Queria contar-te que tenho uma prima nova. A Vitória. Aquela miúda enorme que costumava proteger o João na escola, aquela miúda de 16 anos que tem desenhadas na face as marcas dos pregos cravados na tábua com que era espancada diariamente, antes de ser retirada à família. E ela, a minha tia, já tinha dois filhos com paralisia cerebral. E quem tem dois também tem três. Não importa se com 16 meses ou 16 anos.
….

É o teu último aviso: “tens um minuto até começar a apitar, não estou a brincar”. Levanto-me a custo, visto um camisolão por cima do pijama, já nem tenho tempo para mudar as pantufas. A buzina começa a soar e eu corro. Na rua está frio. Olho para ti e digo “leva-me”. Entro no carro e tu, sem saber como, trazes-me para o sítio mais bonito e desconhecido do mundo. Já me tinham dito que o Alentejo era assim. Não dizes palavra e eu sei que enquanto me quiseres eu estarei aqui para te querer. Sorris, os teus olhos perscrutam fundo a minha alma, procuras-me. Perguntas pelos meus meninos. Perguntas pela Vitória.

Tu conheces-me. E é por isso que sabes que, amanhã, me vou fardar e chegar ao serviço com vontade de lutar e vencer com eles, do lado de cá, dos que ficam. Porque a história dos meninos com cancro também é feita de conquistas e alegrias. É por isso que a Vitória, com mil e uma limitações, tem nome de rainha e tamanho de um milagre. É por isso, meu amor, que te vou seguir sempre, até ao fim do mundo. Há tantos tipos de amor. Tão condensados, tão dispersos, tão calmos, tão revoltos, tão apaixonados, tão desinteressados, tão paternais. Há amores doces e salgados, há amores que não se explicam. Em comum?

Conheces algum amor que não seja um lugar estranho?



Da autoria da Babi

34 comentários:

Suspiro disse...

Adorei este texto ;) Acho que o priemiro prémio foi bem entregue. Fico á espera dos próximos

M. disse...

Uau!

Anônimo disse...

Sublime!

Sílvia

Kikas disse...

está realmente bonito e não conheço nenhum amor que não seja um lugar estranho :)

Kikas disse...

creio que a outra imagem tinha muito mais a ver com a Miss Kitty Fane, mas anda ela por ela ;)

(peço desculpa se não era para dar opinião xD)

Indecisa disse...

LINDO!
Não conheço os outros textos mas, este é sem duvida merecedor.
Amei.

*

Anônimo disse...

Kitty,
Quero dizer-lhe que se todos os textos que recebeu tém a qualidade deste, compreendo a sua dificuldade em eleger o melhor.

Babi,
Gostei muito, muito mesmo.

AOL

Joana ' disse...

Porque realmente há pessoas que têm o poder da palavra, o poder de transmitir por palavras, o que tantos de nós sentimos..
Foi uma óptima escolha Kitty, uma óptima escolha...
Um beijinho, boa semana

Tanita disse...

Fiquei sem palavras...

L disse...

O texto vencedor é simplesmente lindo. Fico curiosa por ler os restantes.

Não sei se já cá deixei algum comentário, acho que não, mas adoro o blogue não o perco de vista.

Beijinho
L.

Cindy disse...

Profundo!
Beijocas e parabéns à autora!

Anônimo disse...

Parabéns pela iniciativa do concurso e à vencedora.

Helena

Anônimo disse...

lindo!

Diana disse...

LINDO! =)

Ana Sousa disse...

MUITO bem ganho.

Anônimo disse...

chorei que nem parva...


parabens, mts parabens á autora.

geezzz...

TinkerBell disse...

Tou em lágrimas
Parabéns...a ti pelo desafio e à autora....
estou sem palavras...
Só mesmo quem anda por um hospital e vê a esperança no rosto de crianças a quem o destino maldosamente tenta roubar a infância desinquieta e saudável...sabe que o amor é de facto um lugar estranho!
....

Rita disse...

Adorei o texto. Está absolutamente maravilhoso!
Parabéns à Babi e um beijinho para a Kitty

Paula disse...

Apesar da história de amor,só me ocorre dizer obrigada a quem trabalha em oncologia,sobretudo em oncologia pediátrica...

joana disse...

Parabéns À vencedora.Tema duro. Fico a aguardar os restantes textos.

STAR disse...

BABI, escreve mais! Escreve por favor!
Trabalho igulamente na área da saude e só quem cá está sabe o que isto mexe connosco e quão importante é ter alguém que nos roube sorrisos fora deste mundo para que tenhamos força para dar força a quem precisa!
Como todos os que trabalham nesta área criei inumeras defesas, inumeras muralhas e o meu choro foi silenciado! Não consigo sequer contar as vezes que quero chorar, que sinto necessidade de tal e não consigo!
Chorei ao ler e reler este texto!
Foi um excelente 'desbloqueador'. Derrubou as minhas muralhas!
Obrigado!
Parabéns!

R disse...

Olá Kitty Fane,

Acompanho o teu blog diariamente mas hoje não resisto a fazer o meu primeiro comentário.

O texto e o que está nele bate forte mesmo cá dentro, tenho os olhos molhados e fiquei automaticamente triste só de o ler. Este mundo move-se por estranhos caminhos e nós não temos capacidade para o compreender, somos apenas marionetas com sentimentos, com lágrimas e com sorrisos. Resta-nos o Amor e a Esperança em acreditar que o dia de amanhã vai ser mais azul e menos triste.

Obrigado por partilhares.

Beijinhos,
Ricardo

steak and chips disse...

ufff...

grande escolha, miss Kitty.

xoxo*

Cat disse...

Muito, muito bonito. Excelente escolha Kitty e muitos parabéns à autora

prada disse...

Faz doer, e está muito bem escrito.
Parabéns !

Vânia disse...

Lindo! Obrigada Babi pelo teu trabalho e pela pessoa linda que és, que bom que existem pessoas assim!!!

Um beijinhos às duas

One Guy Alone disse...

Texto soberbo, a roçar a sensibilidade humana (quando esta existe).

Está de parabéns :)!

ffiffas disse...

Profundo! Lindo!

so_risoIncógnito disse...

Adorei a escolha. Parabéns à Babi pelas palavras...

So_Risos**

Tulipa disse...

Lindo! Lindo! Não li mais nenhum, mas este é de nota 20!

CarlaB disse...

Sem palavras!
Nestes ultimos meses tenho passado muito tempo no IPO a acompanhar a minha mãe, e só posso expressar a minha admiração pelas pessoas que lá trabalham.

pipinhaeheh disse...

O texto está realmente lindo. Mostra como o ser humano pode ser tão horrivel e como pode também ser tão belo. Admiro muito as pessoas que lidam com crianças e lutam diariamente com estas e outras doenças. Tem de se ter uma grande capacidade. Eu confesso que não a tenho, deve ser uma grande violência emocional...Só de ler isto veio-me as lágrimas aos olhos, pois a quantas crianças são-lhes roubada a infância, a que deveria ser a melhor etapa da nossa vida...

Ana Red Nose disse...

Olá!
Comovi-me, achei brilhante e belo!
Obrigada, Kitty e parabéns, Babi!
Beijinhos!

romantikscent disse...

O melhor texto de Miss Kitty Fane tinha de ser de uma enfermeira (: (ou estarei redondamente enganada?...)