terça-feira, 17 de julho de 2012

Coitadito do Clint


Francesca, a filha de 18 anos de Clint Eastwood, está a causar imensa polémica, porque, como não deve ter mais nada de útil para fazer, anda a ser fotografada pelo namorado enquanto destrói malas Hermès Birkin (no valor de cem mil dólares) e sapatos Louboutin (no valor de quinhentos dólares). Tudo isto em nome da arte. E não seria boa ideia alguém lhe oferecer um bom par de estalos naquela cara? Em nome da arte, claro.

19 comentários:

Silvana Santos disse...

Mais uma que não sabe o valor do dinheiro!

Ju disse...

Isto realmente.. Em vez de destruir esses objetos deviam era vendê-los e dar o dinheiro a quem precisasse. Beijinho

Y2000k disse...

Ele que peça à Hilary Swank uma ajudinha, visto que ele já não pode hehe

laetitiasweeneyrose.wordpress.com disse...

Por acaso já tinha falado disto no facebook do blog, de tão chocada que fiquei na altura. Realmente esta miúda só à chapada. A ela e ao namorado fotógrafo.

S* disse...

É parva, a miúda.

Conto de Fadas disse...

Que falta de amor ao dinheiro... é porque lhe sobra.

Allie disse...

Basta tirar-lhe a mesada. Vai ser pior que um estalo.

sónia marques disse...

Estas noticias até doem, especialmente quando vivemos num mundo de dificuldades. O que essa menina mimada faz é um atentado à pobreza. Mas é por criar pessoas assim que a sociedade está como está.
http://sitiodehistorias.blogspot.com

Carla Brito disse...

É pena serem peças com esse valor, mas que as fotos estão muito, isso estão!

Ana disse...

E se a ideia for transmitir que, precisamente, tais objectos não valem tanto?

Se calhar vai vender as obras e dar para caridade uma parte. Não sabemos, não podemos falar do que não sabemos.

Não me choca nada. Foi uma peça de cada, não foi? Não me parece que seja "andar a destruir".

verniz escarlate disse...

Água o deu, água o levou. É tonta. Mas também é tonto quem dá esse valor por uma mala... O valor das coisas é muito relativo.

amiga da onça disse...

Cada um utiliza a arte como entende.
A criação é livre.

Rubi disse...

Pois por mim pode arder isso tudo que ligo tanto a essas malas, e sapatos, como aos elefantes do Gabão!

Rita disse...

Se em vez de os destruir enchesse armários com eles já não mereceria chapadas? Quando um qualquer badameco, que recebe 1500 euros por mês, gasta 500 ou 600 numa mala ninguém fica chocado e agora isto é caso para escândalo? Rebentar com um ordenado em sapatos, cosméticos e roupa é invejável, mas isto é censurável? Devia dar o dinheiro aos pobrezinhos? A mulherada que vive para as marcas não se preocupa com isso e exigem responsabilidade a uma miúda rica?
Eu não sei nada desta história, mas as fotos até podem ter uma mensagem contra o consumismo. Ou se não têm, é essa o simbolismo que eu lhes atribuo.

Mia disse...

Concordo com o comentário da Ana. A primeira ideia que me veio à mente quando vi estas imagens foi que esses objectos não valem assim tanto, para mim esta pareceu ser a principal ideia a transmitir. E arte é isto, mostrar a obra e deixar que os outros a interpretem como entendem.

O pai dessa menina é muito rico, esses sapatos e mala destruídos não são nada no orçamento dele, por isso é perfeitamente compreensível ela investir nesse tipo de arte, pois pode.

Se eu ganhasse o euromilhões e fosse artista, talvez investisse em algo mais arrojado, que marcasse, e o $ ajuda, como sempre.

A mim já nada me admira ou me faz confusão. E, realmente, que valor têm aquelas peças? São de marca, têm qualidade, são caras (mas ela pode) e depois? Não passa disso.

Kitty Fane disse...

O único problema, é que ela podia agarrar no dinheiro que estas peças valem e dá-los, por exemplo, a instituições, ao invés de as destruir só para uma foto.

Mi Carvalho disse...

A mim o que me choca é que alguém dê 100 mil dólares por uma mala ou 500 dólares por uns sapatos. Isso é que é chocante.

Mira disse...

É uma maneira muito condicionada de olhar para o assunto, a meu ver.

A Kitty quando vai comprar uns sapatos pensa em guardar o dinheiro e dá-lo aos pobrezinhos? A única diferença é que gastou um balúrdio nuns sapatos ou numa mala (hipoteticamente, não faço ideia se já gastou ou não), para os ostentar em público e esta rapariga gastou o dinheiro para fazer arte. Cada um dá-lhes o uso que quer. É a mesma coisa que dizer que um pintor devia levar um tabefe por gastar tinta em tela atrás de tela quando podia estar a pintar casinhas aos desfavorecidos...

marianinha disse...

Era mais bonito leiloar essas coisas e ajudar quem mais precisa isto para mim é uma vergonha.
Se eles chamam a isto arte é porque não têm um palminho de testa.