quarta-feira, 2 de maio de 2012

Eu também tenho de falar do Pingo Doce

Mona Johannesson fotografada por Peter Gehrke  para a Elle Sweden, março 2012

Na realidade nunca passei fome. Felizmente. Nunca deixei de comer alguma coisa por não ter dinheiro para a pagar (se bem que, por este andar, lá chegaremos todos num futuro próximo, basta que continuem a cortar nos ordenados como o têm feito até aqui e por aí fora...). Por isso, e por agora, fujo de promoções e de saldos, pelo simples facto de envolverem sempre grandes multidões e confusões. Não acho que a maior parte deles compense. Para além de que acho que se acaba sempre por comprar imensa coisa da qual não se precisa, só porque custa menos três ou quatro euros, ou porque na compra de três, oferecem dois. Não faço a mínima ideia do que é, por exemplo, querer alimentar um filho e não ter dinheiro para o fazer, mas para quem sabe o que isso é, talvez esta promoção tenha dado um grande alívio e conforto. Se eu precisasse, tenho a certeza de que também lá estaria desde o raiar da aurora. Por isso, apoio este tipo de campanhas, desde que estejam dentro da lei e desde que respeitem todos (noutros dias, de preferência, que não o dia do Trabalhador).

Agora não me venham falar do Pingo Doce como a Santa Casa da Misericórdia que só quer ajudar os pobrezinhos e que o senhor da Jerónimo Martins é um Deus de tão bom que é. Se realmente quisessem ajudar quem mais precisa tinham mil e uma maneiras de o fazer sem ter de sujeitar as pessoas àquele circo. Nem tampouco fiquei a gostar mais do Pingo Doce por ter feito esta campanha.

19 comentários:

Mais de 1001 coisas disse...

Concordo totalmente com todos os pontos de vista que abordaste. Muito bem escrito.

Já agora deixo uma sugestão (não será portas abertas e levem tudo por metade, mas pronto...):

criei com amigas um blogue de coisas em 2ª mão em óptimo estado e por óptimos preços.

A grande maioria dos artigos são a estrear :)

Beijinho

Vic disse...

Nem mais. Mas alguém ainda acredita em almoços grátis?

Plim disse...

Dos posts todos que li acerca do "circo" Pingo Doce este foi o que mais gostei, ainda que demonstres a mesma opinião que muitos!! ;)

Me disse...

Au point. Sem tirar nem pôr.

Imperatriz Sissi disse...

Nada tenho contra as promoções e até gosto do Pingo Doce, mas isto foi promover uma humilhação em massa. É nos momentos de necessidade que se vê onde está a dignidade (e civismo) das pessoas. A Jerónimo Martins não ponderou, antes de largar a bomba, se tinha empregados suficientes e medidas se segurança adequadas para assegurar que o dia decorria sem incidentes. Uma tristeza. Muitos consumidores terão ido por necessidade, ou por dar jeito, mas acredito que muitos dos distúrbios fossem motivados por pessoas gananciosas. Enfim,má manobra de relações públicas e um episódio que demonstra que as pessoas põem a sua dignidade em causa por muito pouco.

jessi-aleal.blogspot.pt

Flor de Lótus disse...

O "Senhor Jerónimo Martins" morreu há 200 anos...

Green disse...

Concordo com a tua opinião, mas ao que o próprio já veio dizer, é para repetir.

amiga da onça disse...

Foi tudo marketing e os pobres dos empregados devem de ter ficado de rastos.
Mas comprou quem pôde.
Muita gente nem para uma refeição quente para por na mesa quanto mais 50€ assim sem esperar.
Enfim... quem não pode, não pode nunca e cada vez pior.

Ana C. disse...

Não se aguenta tanto miserabilismo, tanta pobreza de espírito. A sério. O nosso país está dormente e adormecido.
Milhares de pessoas que gastaram ali mais do que em qualquer outro dia, mas contentes, pois, apesar de terem gasto 500 euros, pouparam outros 500.

_+*Ælitis in Angola*+_ disse...

Vi a reportagem ontem, em extenso na Sic. Bastante chocante e ao mesmo tempo, um grande estudo de marketing e sociologico. As necessidades desencadeiam reacções humanas de comportamento incriveis.

RAINHA MÃE disse...

Já te disse que adoro o teu blogue??? Assim de coração! Também não gostei nada do facto da promoção ser no dia do Trabalhador. O Pingo Doce é o meu supermercado de eleição. Onde moro é pequeno. Faço as compras num instante e as coisas da marca da casa são boas. Mas com esta atitude já não me apetece ir lá tantas vezes. Confesso que ainda lá tentei ir, mas nem parei o carro tal era a confusão. Como dizes, felizmente também não preciso! Bjs

Ana Rita Ventura disse...

Olá querida,

Há algum tempo que sigo o teu blogue mas só hoje me decidi a comentar. Tenho lido muito (acho que temos todos!) sobre esta "maça envenenada" que o Pingo Doce atirou ao povo. No entanto, este foi o único artigo que me pareceu verdadeiramente digno de comentário. Estás completamente certa,e melhor, completamente sabedora do que é enfim, a actual e triste realidade portuguesa! Fica o convite para uma visita: http://maniadamissanga.blogspot.pt/


Um grande beijinho

p.s.: Seguidora a partir de agora!

Lady Ana Ricci disse...

Daqui a uns meses é ver o Continente a fazer uma mega promoção do género. Talvez no feriado de Camões, quem sabe....

Margarita disse...

O "circo" foi montado por quem lá decidiu aparecer e não pela Jerónimo Martins, já se sabia que ia ser uma enchente, foram na mesma? Pq podiam, pq quiseram e pq precisavam.
Quanto ao dia do trabalhador ser passado a trabalhar, bem, o meu foi e não sou funcionária do pingo doce,continente ou mini-preço, é que hospitais, farmácias e outras casas - que a maioria se esquece - não podem fechar só por ser feriado.
Foi uma boa iniciativa e uma optima estratégia, para muitos a verdadeira "santa casa da misericórdia" :)

Margarita disse...

O "circo" foi montado por quem lá decidiu aparecer, não pela Jerónimo Martins, já se sabia que ia ser uma enchente, foram na mesma? Pq podiam, pq quiseram e pq precisavam.
Quanto ao dia do trabalhador ser passado a trabalhar, bem, o meu foi e não sou funcionária do pingo doce,continente ou mini-preço, é que hospitais, farmácias e outras casas não podem fechar só por ser feriado.
Foi uma boa iniciativa e uma optima estratégia, para muitos a verdadeira "santa casa da misericórdia" :)

Belicious disse...

Concordo com o comentário, mas situações de violência e faltas de respeito eram totalmente desnecessárias. Não sei se precisam ou não, mas a atitude das pessoas há dois dias não tem justificação!

M.R disse...

Marketing é o que é!

ADEK disse...

Eu costumo ir ao Pingo Doce. Por acaso naquele dia precisava de leite, iorgurtes e pão, porque tinha ido passar uns dias fora. Fui comprar a outra lado, porque nem me aguento com confusões, nem as minhas compras iam chegar aos 100 euros (nem nada parecido) e não gosto de ser manipulada com promoções a comprar o que não precis.

Laura disse...

Eu tenho que discordar de algumas coisas.. o sr. Jerónimo Martins, já morreu há imenso tempo. quem tá a tomar conta desta empresa é o Soares dos Santos que achou por bem manter o nome da família que deu origem ao pingo doce. Acho que esta foi uma campanha para ajudar quem mais precisa. foi realmente.. porque ele tem uma riqueza extrema! não precisava do lucro que esse dia deu.. só para terem a noção, há uns tempos ele teve o lucro de 1 milhão de euros. quando soube disso, deu 300 euros a mais a todos os seus funcionários efectivos, não sou trabalhadores, como também contabilistas, gerentes.. a todos mesmo! No dia 20 de Fevereiro na Madeira, quando aconteceram aquelas cheias,ele doou imenso dinheiro para ajudar as famílias que ficaram sem casa, sem antes sequer saber o que tinha acontecido aos seus supermercados. Aos funcionários que foram afectados pela situação, ele também ajudou.
Ser dia do trabalhador, realmente pode ser considerado uma estratégia de marketing.. mas os trabalhadores que trabalharam nos supermercados nesse dia, receberam o ordenado desse dia x5 (ou seja, mais 500%). sei disso pois tenho família que trabalha lá. Para além disso, ainda tiveram um dia, após esse, para fazer compras tendo direito à mesma campanha.
Uma colega da minha familiar, há uns tempos, teve um incêndio e ficou sem electrodomésticos na cozinha. ele ofereceu-os todos. Não me digam que ele não é uma pessoa bondosa, porque é mentira. O "Circo" foi criado pelas pessoas, que revelaram as suas fraquezas e comportaram-se de maneira exagerada. O Soares dos Santos não tem culpa da falta de civismo que anda por aí.
O facto de estar a ser avaliado se foi dumping ou não.. é assim, o que o pingo doce fez num dia.. o continente faz num ano, com aquele cartão que oferece 50% de desconto em alguns produtos. é claro que se notou mais, pela polémica que foi. Tenho o testemunho de trabalhadores, que ficaram gratos por esta campanha, pois, apesar de ter sido um dia cansativo, ganharam muito. até me disseram que gostavam que se voltasse a repetir.