quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Concordo tanto tanto

James Dean e  Elizabeth Taylor fotografados por Richard C Miller, 1955

É mais ou menos como o amor, que ganha plenitude e certeza com a rotina, ainda que muita gente cuide que ela é a responsável pela sua morte.

Da autoria da Mãe Preocupada 

6 comentários:

Maria Oliveira disse...

Olá,vim conhecer seu Blog e aproveitei para seguir!
Parabêns pelo Blog e sucesso para ti!

Se quiser me fazer uma visita no meu Blog,será muito bem vinda e se quiser seguir,sinta-se em casa,sua presença será muito importante!
Beijinhos!

http://umamulherbemvestida.blogspot.com

Paulo Nunes disse...

Eu tenho muitas rotinas e nada afecta o sentimento :)

Bem vindos! disse...

Olá que lindo que é seu blog , estou até seguindo qualquer dia desses vc vai lá visitar o meu , ler alguns textos será um prazer beijos

Green disse...

Eu acho que a rotina só é a sua morte se não fizermos para que seja a sua vida.

Miss K. disse...

um grande bem-haja a quem foi a tempo de perceber isso - só assim conseguia escrever estas palavras. pelo que me lembro, é tal e qual assim.

miss egg disse...

Por um sem número de coincidências vim dar a este post, há um mês atrás. Já muito me fez pensar, e então que voltei (uma 'trabalheira' reencontrar o post)só para agradecer a simpática perspectiva, a que muitos escapa, da extraordinária beleza do amor e da(s) rotina(s).