segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Das coisas tão nossas














Catherine Zeta-Jones, Abigail Breslin e Aaron Eckhart em “No Reservations”

Por vezes há leitoras, sobretudo as mais antigas e que têm acompanhado a minha vida ao longo dos anos, queridas, que me enviam e-mails a perguntar por que razão não conto no blogue a história que me uniu ao meu Amor e à nossa Princesinha. Dizem que gostariam de saber como tudo aconteceu, como veio ela parar à minha vida, se estou noiva ou se casei, e por aí fora, e que têm muitas saudades dos tempos em que eu falava mais da minha vida no blogue. Eu confesso que também adoro saber da vida daquelas pessoas que leio há muito tempo. É giro perceber que umas (e aqui falo de bloggers femininas, que são aquelas por quem nutro mais carinho) arriscaram tudo e mudaram de emprego, outras apaixonaram-se perdidamente, outras casaram, outras tiveram filhos, outras formaram-se, outras mudaram de país, outras acabaram relações longas, outras fizeram viagens de sonho. Mas não exijo muito, e respeito sempre a sua necessidade de privacidade. Eu teria todo o gosto em contar aqui tudo, mas acontece que tudo tem um preço. E a exposição pública, ainda que num blogue, a curto ou longo prazo, paga-se caro. Eu paguei numa determinada altura e não gostei. Há quem não se importe, há quem até goste que a sua vida e a dos seus seja discutida, seja vista e admirada, tim tim por tim tim, que A e B discutam os gostos do nosso amor quando acorda ou as birras dos nossos filhos ao adormecer, tão nossos, em público, mas eu descobri que não, que isso nada tem a ver comigo, muito menos nesta fase, em que, basicamente, da nossa vida, dos nossos problemas, das nossas dores, dos nossos sonhos, dos nossos desejos, só sabemos nós os três. E é tão bom. Percebi que quantas menos pessoas souberem da nossa vida, melhor. Sobretudo em dias como os de hoje. De início de uma nova fase.

19 comentários:

margarida disse...

Lembro-me de todas essas fases. É bom estar por aqui e perceber as tuas mudanças, afinal já são muitos anos. Nota-se que és mais feliz e isso é que importa.
Beijinhos

Vânia disse...

Eu tb me lembro de todas essas fases..E só tenho 23 anos! Incrível né? Beijinhos e boa nova fase :)

Clementine Tangerina disse...

Acho que fazes lindamente, guarda para ti porque ha mta gente má e a querer a nossa infelicidade...infelizmente! beijos e tudo de bom!

Dulce disse...

Também me incluo nas curiosas quanto às mudanças que a tua vida sofreu... mas compreendo perfeitamente que não as partilhes. O blog reflecte bem a tua nova fase, repleta de amor e saúde, que afinal é o que mais importa. Um beijinho!

Jo disse...

E há que respeitar isso, e continuar a vir aqui ler aquilo que queres partilhar connosco :)

Wendy disse...

Confesso que, lendo-te há tanto tempo, também partilho dessa vontade de saber um pouco mais. Mas já tinha percebido, e compreendo, que queres manter a tua vida em privado. E é uma boa escolha.

Pé no Paraíso ou talvez nao... disse...

Vem ai uma mini Kitty Fane Maria????????

Isso não nos ia deixar de dizer, pois não?!?!?!

Beijinhos e felicidades :))))

Mia disse...

Como te entendo! Continua assim, é o melhor mesmo. Por mais tentador que seja querermos desabafar ou simplesmente falar da nossa vida, não compensa, o preço a pagar é bastante alto, como disseste.
E se for para contar as felicidades da tua vida, mais alto será ainda será o preço.
Bom mesmo é cada um tratar da sua vidinha, que com certeza tem muito para tratar ;)

stiletto disse...

E estás coberta de razão. Embora eu também gostasse de conhecer a tua história que deve ser bem bonita :)

Alexandra disse...

Tens toda a razão e essa é a principal razão que me leva a escrever cada vez menos. Até as peripécias engraçadas da minha cadela me custam partilhar. São coisas minhas, momentos meus. Hoje a blogosfera não é a mesma e com esta não apetece partilhar nada. É aquela velha história, sobretudo quando mostramos felicidade.

No entanto, é muito bom ver que cá continuas. Tenho muitas saudades da blogosfera de há uns bons anos, quando partilhávamos o que nos apetecia, com outro espaço para isso. Hoje, as coisas estão muito diferentes, as pessoas perderam todo e qualquer pudor e respeito e nós, bem, nós estamos um pouco mais maduras e calejadas.

Muitos beijinhos e tudo a correr pelo melhor!

Juanna disse...

Está bem, não volto a pedir, prometo :)

Helena Barreta disse...

A mim basta-me saber que está feliz e com saúde e que os seus amores estão bem.

Felicidades e que essa nova fase seja tudo o que quiserem.

Beijinhos

Catarina A disse...

Acho que é o melhor que fazes. Protegeres a tua privacidade (e felicidade) acima de tudo :)
Nunca se sabe quem está do outro lado.

myrtille disse...

Quem te acompanha,percebe muito bem o que dizes. Vamos continuar aqui a ler-te, mesmo não conhecendo todos os detalhes. Parabéns pelo blogue. Por mim, mantém-te assim. Parabéns!

Tamborim Zim disse...

Amei o comentário da Pé no Paraíso.:) Entendo perfeitamente o que dizes e, tendo acabado de criar o meu próprio blog, é importante não deixar de ter todos esses aspectos em atenção. Afinal, um blog n tem de ser um diário, embora possa contar com apontamentos do nosso dia-a-dia. Não deixando de ser uma forma de ser (passe-se a repetição), acho q um blog é, sobretudo, uma forma de ver, e há muito para onde olhar.
Toda a felicidade.

menina lamparina disse...

Leio-te há anos e não sou lá grande comentadora, mas confesso que às vezes também sou tocada por essa inevitável curiosidade.

No entanto, saber-te bem e feliz é suficiente para que sobreviva bem sem saber mais.
Às vezes tenho que me lembrar do óbvio: não nos conhecemos... :)

Um beijinho e continua a deixar essa felicidade nas entrelinhas!

:)*

Green disse...

Tens toda a razão, a excessiva exposição é por vezes desnecessária e dá mau resultado, pois há muita gente por essa blogosfera fora que tem tudo, menos boas intenções.

Sentimento de Mim disse...

É legítima essa tua posição. Também nós, leitoras (desinteressadas, acrescento), nos apercebemos pelo menos pelo que nos deste a conhecer que há muita gente má por essa blogosfera fora. Quanto menos se souber, melhor. Compreendo e desejo-te felicidade.

Johnny disse...

E acho que descobriste isso a tempo, embora tenhas tido uns problemas pelo meio. Fazes bem em resguardar a tua vida, do teu marido/namorado e da tua filha. São demasiado preciosos para serem mostrados e expostos.