terça-feira, 13 de setembro de 2011

Das pessoas que fazem toda a diferença

Natalie Portman fotografada para a Vogue por Steven Klein, maio 2002

Quando se tem algo muito importante para entregar, chegam sempre dificuldades de última hora. É impressionante, mas de repente parece que corre tudo mal. O computador bloqueia. Há coisas que desaparecem inexplicavelmente. As pessoas adoecem. Enfim. Por exemplo, tenho uma amiga que na véspera de defender uma tese de mestrado descobriu que tinha piolhos. A filha tinha apanhado na escola e tinha-a contagiado. Ela foi logo a correr lavar a cabeça com quitoso, mas ao fazê-lo ficou cheia de alergia na cabeça. Foi defender a tese cheia de dores e com uma comichão horrível. Hoje ri-se, mas na altura não achou piada nenhuma.

Ontem foi uma corrida contra o tempo. Um projeto que tinha de estar pronto para hoje (alguém ia apanhar um avião hoje para o entregar)  e encadernado de uma determinada forma. Mas loja que o fizesse no próprio dia, com as cores, as impressões na lombada e o formato que era pedido, não se encontrava. Até que surgiu a Staples. Mais concretamente a de Cascais. Nunca tinha entrado numa Staples, muito menos sabia que ali faziam todo o tipo de encadernações, mas pude comprová-lo e fiquei fã. Sobretudo das pessoas que nos atenderam - um rapaz baixinho de óculos e uma rapariga morena de rabo de cavalo (infelizmente não decorei os nomes, a minha memória anda nas ruas da amargura) . Depois de tanta correria, de tanto desespero, de tanto stress, eles fizeram toda a diferença.

E agora com esta coisa de andar toda a gente a fazer publicidade encoberta nos blogues, é bom referir que não, ninguém me pagou ou patrocinou para eu escrever isto.

12 comentários:

Teclas disse...

Tenho muitas dúvidas em relação à Staples. Da última vez que lá fui a senhora pediu-me os originais de umas partituras de Schubert, ou de outra forma não poderia fotocopiá-las. Desconfio de que a senhora não fazia a mínima ideia de quem era Schubert ou do que me estava a pedir. Teimou e não me tirou as cópias.

Não gostei.

Sem o meu amor disse...

Ola blog interessante. Da uma pssadinha no meu tb, beijos.

Naná disse...

No dia de fim de prazo final da entrega da minha tese de licenciatura, levei o trabalho numa disquete (ainda se usava disso) e era só chegar lá e imprimir... assim que abri o documento, estava todo desconfigurado, parágrafos fora do sítio, fotos em cima do texto. Estive desde as 9h da manhã até às 14h a reconfigurar tudo para imprimir e durante a tarde encadernarem...
Da Staples, tenho uma opinião assim-assim... já fui muito bem atendida, mas já me atenderam também muito mal...

Andreia disse...

A Staples tem coisas boas, mas algumas rídiculas, como por exemplo cobrarem na altura da impressão de um qualquer trabalho pela simples abertura da pen drive...Claro que num momento de aperto, paga-se tudo!!!!

Adoro o Blogue!!! Parabéns

Alma de adolescente disse...

As encadernações lá são óptimas!

Lady C disse...

Quando comecei a ler, já estava a pensar em comentar dizendo que na Staples de certeza que faziam, mas pelos vistos foi mesmo essa a solução!
Tal post, segue já para o director de operações (paizinho) que eu gosto muito de me queixar quando é preciso, mas também gosto de dizer as coisas boas :)

Panda disse...

É nesse aspecto eles são uma solução.

Jo disse...

(Tive que me rir com o comentário da Teclas. Gostava de ter assistido, confesso.)

Em relação à Staples tenho uma opinião 'mais ou menos'. Para aquilo que preciso de imprimir não é muito adequada (grandes formatos), há outras mais especializadas e bastante mais baratas ;) No entano já lá fui algumas vezes e a questão é mais quem nos atende, como referes. Fazem os serviços sim, mas depende bastante de quem lá apanhamos. Como em todo o lado, aliás.

SF disse...

Estou com a Teclas, a mim na Staples pediram-me uma autorização do autor e da revista para que puedesse ser fotocopiado...e só para acrescentar que a autora era eu, mas mesmo assim não quiseram fotocopiar.

A mamã da Beatriz... disse...

Por cá... andam De-va-ga-ri-nho... muito de-va-ga-ri-nho... ´só dá vontade de lhes pregar um abanão! Ora se tem 10 máquinas, que fazem tudo sozinhas (refiro-me só a copias), tenho de esperar que o funcionário acabe tudo de-va-ga-ri-nho para me atender que só preciso de uma cópia...Agora imaginem 10 pessoas à nossa frente... Chego a estar 1hora à espera qdo podiam despachar em 30 minutos... Bom trabalho, mas muiiiito lentos!!!

Isabel Metello disse...

Kitty, quando se junta o stress à ansiedade tudo corre mal- a mim chegaram-me a bloquear impressoras, o computador bloquear, etc...
Na minha defesa de tese de Mestrado, que se verificou nua quinta-feira às 5 da tarde,a minha Filha estava uns dias em casa da Avó paterna e pedi de joelhos ao meu ex para que não dissesse à Mãe que eu iria defender a tese, pois eu sabia que algua me arranjaria...bem, chegou a quarta-feira e nada e eu pensei: "que bom, desta vez, ele não disse!"...na quinta-feira, ao final da manhã, depois de saber que o Filhinho já tinha saído de casa, telefona-me e a rir-se diz que não podia ficar com a Bebé pois tinha uma consulta marcada para as 17h...bem, fiquei pálida, pois já não tinha tempo para pedir a alguém que pudesse ficar com a Criança, pois ainda não tinha idade para assistir e queria que a minha Família estivesse presente...o que vale é que uma ex-aluna da minha Mãe que costumava ficar com ela como baby sitter quando eu tinha de entregar algum trabalho se predispôs a ficar com ela na cafetaria da Católica, enquanto decorria a defesa...tivemos de almoçar à pressa, metermo-nos num táxi e lá fomos...conclusão: bloqueei nos primeiros minutos, mas depois, olhei para a Cruz de Cristo que estava na parede e meti o turbo. Quando é assim, rezo um Pai Nosso e peço aos Meus Protectores para desbloquearem o percurso :)

A Ruiva ou a Kika? disse...

Gosto mt da foto

Visita o meu blog: leticiakika.blogspot.com