domingo, 5 de junho de 2011

Das eleições

Charlie Chaplin e Jackie Coogan em "The Kid", 1925

Nunca pensei chegar às nove horas de um domingo de eleições sem saber em quem votar. Nunca tal coisa me tinha acontecido. Na realidade tinha vontade de ir para as mesas de voto fazer uns corninhos e outras coisitas do género na cara de cada um dos candidatos. Era o que eles mereciam. Era, pois. Mas depois, já se sabe, não me sentiria bem comigo mesma. Por isso, vou continuar por aqui a enumerar prós e contras dos candidatos e respectivos partidos para ver se no meio de tanta desgraça encontro algum não tão medíocre como os outros.

10 comentários:

S' disse...

eu acabei de vir de lá. Gostei muito, foi agradável e recomendo (NOT).
Esta foi daquelas vezes em que eu ponderei não aparecer lá.

aqui mesmo disse...

Ja fui votar e ja sabia ha algum tempo para quem iria o meu voto. Mesmo que chegue a hora e nao saibas em que deves confiar, o importante mesmo é que votes, independentemente do partido. (:

_+*Ælitis in Paris*+_ disse...

O importante, mesmo, é ir votar. Isto vindo de alguém que nunca (pode votar) votou :)

Ana C. disse...

"Não sei por onde vou. Não sei para onde vou - Sei que não vou por aí."
Eu sei em quem não voto, aliás, em quem não votei.

Agri Doce disse...

Acho que, ninguém, vai ficar satisfeito com resultado...seja ele qual for!Cruz para todos!

Jibóia Cega disse...

Nao te esqueças que nao vais encontrar a cara de ninguém nos boletins de voto porque a votaçao nao vai ser em candidatos mas sim em partidos.

Alexandre disse...

Enfim, acho que quem pode deve ir votar. :-)

Paty Michele disse...

Ano que vem teremos eleições aqui no Brasil. E o pior é que o nosso voto é obrigatório e só nos resta anular, pois já temos urnas eletrônicas e nem chifres ou bigodes nos dão o direito de pô-los.

Cs1993 disse...

Eu também cheguei lá e pensei vou votar no mais charmoso nas fotos, mas a verdade é que a foto dos candidatos não apareceu e lá votei no que achava que ficam sempre para ultimo (não vá o diabo tecelas e depois o caso fica entornado) pronto, não serviu de muito o meu voto, já que "era uma vez a classe média" mas sempre exerci o meu direito/dever!
C s 1 9 9 3

krasiva disse...

Aconteceu-me o mesmo...decidi mesmo em frente do boletim...triste, muito triste