sábado, 8 de janeiro de 2011

Também tenho de falar do crime de que todos falam

A primeira coisa que me ocorreu quando soube da morte do Carlos Castro (que, confesso,  não me aquecia nem me arrefecia, e não é agora por ter morrido que vou começar a dizer que o senhor era o máximo de bom e tal e coisa e coisa e tal.) foi que ninguém merecia uma morte assim, tão cruel, tão sinistra, tão chocante. E pensei logo que há por aí muita miudagem que para ficar conhecido faz tudo. Inclusivé andar com pessoas que nada têm a ver com eles, vendendo o próprio corpo, para assim conseguirem aquilo que almejam - a fama, de preferência às custas de um papel nos "Morangos com Açúcar" ou algo parecido. É triste, mas isto é o que mais existe por aí. E, em geral, são os próprios pais deste miúdos que fomentam desde cedo este sentimento, começando a levá-los a castings para fazerem anúncios e novelas quando estes ainda são meninos de colo, porque os seus filhos são sempre os mais bonitos e inteligentes, e ai que era o máximo que o meu filho aparecesse na televisão.

Mas depois pensei numa história que eu conheço de um miúdo de dezoito anos que, após dias e dias a ser abusado sexualmente pelo pai, a ser ameaçado de que se contasse alguma coisa era morto, perde a cabeça, e o esfaqueia sem dó nem piedade até à morte, fazendo-lhe o mesmo que este miúdo fez ao Carlos Castro. É certo que pelo seu aspecto este rapaz parecia alguém que se sabia defender bem, sem ter de recorrer àquilo. E o Carlos Castro até parecia um senhor bem inofensivo. Mas isso também não quer dizer nada. Até porque por vezes o homem de aspecto mais gentil e simpático, esconde a pessoa mais perigosa.

O que terá acontecido para levar o miúdo àquilo só eles saberão. Mas deve ter sido algo muito grave. Ou então não. Ou então é mais um que é adepto de uma máxima que está muito na moda e que eu abomino que é - falem bem ou mal, mas falem de mim. Fica a dúvida.

17 comentários:

Me,myself & I! disse...

Há umas horitas fiz um post sobre este mesmo assunto (eu e metade da blogosfera) e tenho a dizer-te que concordo a 100% com tudo o que aqui disseste.
Um crime para lá de hediondo...
O que esteve por detrás dele?
Who knows?

Johnny disse...

Concordo contigo quando dizes que há por aí muito jovem a manter relações que não lhes dizem absolutamente nada (ou que até os repugna) só para subiram na vida. Para verem a fama mais de perto e subirem à custa de conhecimentos alheios. Lembrei-me assim de repente de outro caso que me parece de completo oportunismo - a namorada do Carlos Areias. Que relação é aquela? Parecem pai e filho. Ou avô e neta.

flor disse...

Gostei muito do post e não diria melhor. Concordo integralmente con tudo. E para finalizar, essa velha máxima do falem bem ou falem mal interessa é que falem, detesto profundamente... mas isso sou eu. Beijo :)

Ana Sofia Santos disse...

Opa mas foi só o miúdo que se meteu na relação? Também não foi o oposto. Um homem já pra ser avo, também não tem juízo e deixa-se levar por jovens. A culpa certamente desta relação não esta só de um lado. Ele talvez queira fama e o Carlos exibir um miúdo jovem e bonito ao lado.

Trintão disse...

Concordo contigo Kitty Fane.

stantans disse...

não é bem assim. segundo a polícia, discutiram por causa de dinheiro. o cc pagou.lhe a viagem toda e parece que depois o apanhou a roubar-lhe dinheiro. agora o homicida enfrenta pena de prisão perpétua, e espero bem que assim seja.

Tamborim disse...

Por acaso não acho q sejam essas as duas únicas saídas. Temos q perceber q n há, muito mais q provavelmente, razões plausíveis p uma pessoa se abandonar a esta ferocidade. Pode haver ciúme, raiva, ódio, cobrança, mas n razão. E pode não ser necessariamente p aparecer, mas sim por ter terrivelmente mal-formado, descontrolado, psicopata.
Seja o q for e como for, lamento profundamente o roubo do direito à existência - esta forma é só mais horrenda, mas todas são hediondas.

Marta disse...

Por mais que os meios sociais nos remetam para a culpa do rapaz, e que, supostamente faz sentido que assim o seja, acho que só devemos condenar alguem após provas concretas, exactas de que foi realmente ele que o tenha feito. Isso de um jovem andar com um velho, ou um velho com um jovem, sinceramente há casos e casos, mas não acho que seja, agora necessário generalizar para todo o caso que ha entre pessoas com grande intervalo de idade seja para algo em troca, e não um verdadeiro relacionamento "normal". Tal como pode haver um velho com um novo para mostra lo ao mundo ou mesmo para o novo conseguir fama, também pode haver 2 pessoas da mesma idade para o mesmo. O grande intervalo de idade não tem que levar necessariamente para a conveniência. Há que esperar pelas notícias e, só depois, tirar conclusões. Ninguem sabe realmente o que se passou.

Rita disse...

Acho que vamos todos ter de esperar para sabermos alguma coisa. *

R.L. disse...

Oh Kitty, o que é que o Carlos Castro lhe fez nessa noite que já não tivesse feito antes? Ia passar uns dias a Nova Iorque e partilhar o mesmo quarto de hotel com um homem 45 anos mais velho se estivesse com receio de segundas intenções?

Ta' disse...

Concordo contigo. Eu fico sempre de pé atras com estas coisas porque ate agora ninguem sabe o que realmente aconteceu e ja esta tudo a falar mal do rapaz. Pra mim, "prognosticos" só no final do jogo.

a Gaja disse...

Mas se a intenção do miúdo era que falem dele...isso vai sair-lhe muito caro, pois já se fala de prisão perpétua.

Tenho que concordar com tudo o que disseste, algo se passa por detrás deste crime hediondo mas isso nunca saberemos.

Simplesmente Ana disse...

Sinceramente, não me parece que o miúdo cometesse tal atrocidade (se a cometeu) para ficar famoso. No entanto, e poso estar a ser muito má, também penso se o miúdo não terá sido "encantado" para a teia do Carlos Castro e depois tenha sentido nojo, arrenpedimento, enfim, se tenha passado.

Sandra disse...

Até as pessoas mais carinhosas, simples e calmas podem cair na rede do deslumbramento.
O Renato perdeu o chão, as coisas podem ter acontecido rapidamente e ele foi sendo levado na "onda"...tentou fazer-se passar por algo que não era, na esperança de que tudo facilitasse a sua ascenção no mundo da moda.
Entretanto, talvez tenha caído em si, transtornado pelo que já tivera de fazer, indo quem sabe até contra a sua opção sexual...
Sem acreditar em inocentes nesta história, talvez até Carlos Castro tenha sido apanhado de surpresa, também ele enredado numa mentira.
Quando chegou o momento da verdade, a vergonha, a repulsa, a fúria transformou a vida dos dois para sempre...

cassandra disse...

totally agree

maufeitio disse...

Eu acho que o mais difícil no meio disto tudo é ser objectivo e não cair no juízo de valor ou na especulação.
Além de não sabemos exactamente o que se passou, é difícil não julgar o Renato por uma eventual excessiva ambição, ou o colonista pela sua orientação sexual...

Pixie disse...

Ora aí está.