quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Vamos ajudar os leitores

Leighton Meester fotografada por Christophe Mimoon para a Marie Claire UK (Dezembro, 2010)

A Maria pediu ajuda há já algumas (largas) semanas. Não sei se nesta altura ainda precisa dessa ajuda, mas a verdade é que nunca mais chegava o dia em que eu tinha disponibilidade para voltar a pôr esta rubrica no ar. Fica aqui o pedido dela. Será que a podem ajudar?

O meu problema não é sentimental. Bem pelo contrário, esse lado da minha vida e após anos de desgraça vai finalmente bem. Só não está melhor porque eu e o meu amor vivemos a 200 km de distância durante a semana. E o porquê leva-me ao meu problema:

Depois de uns anos de formação académica em boas universidades nacionais e internacionais e de um par de anos com um emprego interessante, eis que a crise me aterra em cima. Depois de quase um ano de desemprego, consegui um estágio remunerado que me levou para Lisboa (eu sou de outra cidade). O que parecia ser finalmente a luz ao fundo do túnel, revelou-se afinal um comboio a alta velocidade. Aparentemente estraguei a cunha de alguém. Por causa disso, o meu ambiente de trabalho é péssimo. Puseram-me num andar diferente do resto da equipa. Há semanas inteiras que não vejo as pessoas com quem trabalho. Não me dão nada para fazer, mesmo que eu peça (entretanto já desisti de pedir). Passo 7 horas por dia sentada numa secretária em frente de um computador a navegar sem rumo na net e a ver a incompetência e as ilegalidades que se passam à minha volta. Sonho com o dia em que apresento a minha carta de demissão e digo tudo o que me está atravessado.

O problema é a falta de alternativa. Eu estou disposta a ir trabalhar para uma loja se fôr preciso, desde que me dê dinheiro para pagar as minhas despesas. Só que não há loja nenhuma que aceite uma pessoa com um mestrado e experiências internacionais. Já tentei. Aparentemente tenho excesso de qualificações para tudo. Eu prefiro mil vezes o contacto com o público do que com o computador. Falo línguas, escrevo bem, tenho boas capacidades de comunicação e organização e blablabla. Sei que, por exemplo, seria bem melhor profissional num departamento de comunicação do que muitos licenciados nessa área. Mas nada. Nada de nada.

Não sei quanto tempo aguento neste emprego, onde sinto que estou a ser humilhada todos os dias. Não sei se me despeça, mesmo não tendo alternativa nem recebendo subsídio de desemprego. Não sei se continue aqui até dar um tiro na cabeça. Não sei mais que faça para encontrar um trabalho.

26 comentários:

rosaamarela disse...

Há aqui um erro de palmatória, para podermos ajudar temos que saber qual a sua área. Uma ajudinha vamos lá...

Ana Lopes disse...

Não desistas.

Marta disse...

Acho que o melhor seria nunca desistir de procurar outro emprego! E tentar resolveresse problema dentro da sua empresa!
Atélá nunca desistir!

Gatinha disse...

Procurar sempre, e se necessário, tirar qualificações do CV...
*

Sandocha disse...

qual é a área da Maria? Trabalho numa unviersidade onde estão à procura de boas e trabalhadeiras pessoas na área da comunicação

Maria Miau disse...

O meu conselho para a Maria reparte-se em dois, primeiro a questão do actual emprego. É nítido pela descrição feita que estás a ser alvo de "mobbing", ou seja, assédio moral no emprego. Acabei de ler um artigo sobre essa questão na Visão desta semana e acho que encontrarás alguns conselhos a seguir e a quem podes pedir ajuda. A segunda parte do meu conselho tem a ver com a questão do excesso de qualificações...estou numa situação semelhante...estou a acabar um doutoramento e como a minha bolsa terminou há já algum tempo tive de tentar encontrar algo para fazer. Todos sabemos que os trabalhos nem sempre são pagos como ambicionaríamos...mas consegui um part-time numa livraria e estou satisfeita. Aconselho-te a tentar e a direccionar o teu CV de acordo ao emprego que te estás a candidatar. Faz também candidaturas espontâneas...nunca se sabe. Boa sorte e muita força...nunca desistas

Ana disse...

Eu acho que devia apresentar queixa- Ponto.

Simplesmente Ana disse...

Vergonhoso. Sem dúvida que é assédio moral. Estão à espera que apresentes a tua carta de demissão para não terem que te despedir e não terem que assumir as responsabilidades que um despedimento sem justa causa acarreta. Isso é uma humilhação terrível! Estou indignada.

Caetana disse...

Sim, concordo com opiniões anteriormente expressas. Há esse monstro do assédio moral que muitas pessoas desconhecem, mas que é caso de justiça...

Mie disse...

Antes de mais, apresentar queixa.
Relativamente a arranjar um outro trabalho, talvez seja de ponderar sair de Portugal.

AnaCunha disse...

Kitty Fane, desculpa utilizar a tua caixa de comentários desta forma... mas eu sou licenciada e tenho um Mestrado em Comunicação e queria entrar em contacto com a Sandocha para saber mais acerca do recrutamento que estão a fazer na Universidade onde trabalha. Sandocha, pode contactar-me pelo anacunha21@hotmail.com? Não consigo aceder ao perfil... Obrigada!

Alexandre disse...

Não pode mesmo desistir e sim, apresentar uma queixa dos colegas. Que incompetência da parte deles..
Enfim!

Bkelly disse...

Antes demais, devo dizer que estamos perante uma questão do foro jurídico, visto que estão a ser violados direitos da trabalhadora. Estamos perante um caso de assédio moral (colocaram a jovem em questão na "prateleira", digamos assim) longe dos colegas e sem trabalhar. O empregador pode ser responsável pela inacção do trabalhador, logo é melhor procurar um Advogado.

Este será um dos primeiros passos a dar, sendo que existem outros de igual importância.
Boa Sorte!*

Anónima disse...

OLha eu até compreendo, e se nao te sentes bem procura outra coisa onde te sintas melhor.

Acho que nao é preciso dizeres a tua área, pois já dizes que tens mestrado. eu sou licenciada, e taé sei que é dificil o emprego. por isso cheguei a trabalhar, mesmo com experiencia na minha área de 4 anos, num supermercado. E digo que até foi bom. Nao me descriminaram porque tinha estudos, nada disso. Ainda pensei nisso, mas nao! Olha Maria tenta aguentar um pouco mais, mas procura emprego, mesmo que seja mais baixo. Nao é vergolha nenhuma.
Lojas de roupa por vezes é dificil, digo eu. depende da tua idade lol.
Olha Maria se quiseres falar comigo, podes me escrever naflorestasecreta@gmail.com

Fica bem
beijinhos

juana disse...

Eu estou numa situação idêntica. Concorri ao programa de estágios profissionais na administração central, fui estagiar para um instituto politécnico. As primeiras 3 semanas de estágio andei a arrastar móveis, limpar vidros, aspirar o chão, etc. E só passado um mês e tal de lá estar é que me deram um projecto da treta, mas sem orientação nenhuma, sem prazos. Puseram-me numa sala com um computador, onde se encontra outra pessoa a trabalhar. A minha orientadora de estágio é uma incompetente, ainda nem sequer me forneceu os objectivos e desde o primeiro dia que me trata como uma incapaz, e andou a dizer que eu era baldas. Percebo muito bem o que a Maria sente, mas aconselho a não desistir, porque desistir é dar-lhes a razão. Boa sorte Maria.

Miss B-Beautiful disse...

Há pessoas com bons empregos e patrões que põem baixa psicológica e pronto. Não estão para se chatear. Ela que faça isso (que se justifica, ao que parece) até a despedirem e, claro, vai sempre vendo anúncios de emprego!

Tamborim disse...

Não desistir - isso do tiro nunca, arreda! Ver se a Comissão e o Parlamento europeu ainda oferecem estágios remunerados - contactar o Jean Monet em Portual - rua do Salitre.
Desbravar o matagal dos trabalhos nas horas em que não trabalha. Ver sites como os dos expresso, a bep.gov.pt (mas n sei se têm ofertas sem ser p quem já tem contrato em funções públicas).
Boa sorte, as coisas vão e só podem melhorar.

Fil disse...

Emigra, tal como eu fiz. Portugal não sabe cativar os seus talentos; eu e a maior parte dos meus colegas simplesmente pegámos nas trouxinhas e rumámos a outros destinos. Hoje temos uma óptima qualidade de vida e amigos espalhados que visitamos frequentemente. De dois em dois meses visito Portugal e quando sei das notícias do que aí se passa, volto com gosto para a Suiça, onde agora tenho a minha vida. Se falas línguas e tens experiência internacional, do que esperas?? Pega no teu namorado e zarpa daí! :o)

Boa sorte.

Gi disse...

Tal como a Sandocha, eu também trabalho numa faculdade onde neste momento necessitam de alguém da área de Comunicação, por isso se tiverem interessadas enviem um email para jessy_perestrelo@hotmail.com.

Inês disse...

Concordo com a Fil. A melhor opção é mesmo emigrar! Tenho muitos amigos que se decidiram por fazê-lo e nenhum deles está arrependido. Eu ainda não o fiz porque estou contente com o que faço e o ambiente de trabalho não podia ser melhor, mas se as coisas entretanto se alterarem, não é uma opção que fique fora do baralho... Muito pelo contrário!
Arrisca ;)

Rita disse...

Não te despeças. Continua a enviar o curriculum. Força! Eu sei que não deve ser fácil, mas faz um esforço.. *

stantans disse...

se quer trabalhar em qualquer coisa, empresas na área das comunicações estão sempre a recrutar vendedores porta a porta, e não querem saber do cv. quem me dera a mim um emprego de 7 horas em frente ao computador sem fazer nada, mas pronto isto sou eu :P

mac disse...

Olá Maria, 1º de tudo coragem...em 2ºlugar, ficam aqui várias ideias: tirares o CAP e ponderares dar formação; ires ao site do INA (www.ina.pt) e concorreres aos cursos que dão acesso à carreira técnica superior da Função Pública; ires ao site do INE (neste momento estão a contratar pessoal para efectuar o Census 2011).

Maria disse...

Olá. Este ano encontrei-me na mesma situaçao que tu, ou parecida. Quase que fiz a licenciatura, deixei uma cadeira por fazer. Dado que a fase de exame é em 2011 para mim, vi-me obrigada a procurar emprego, quanto mais nao fosse para manter o cerebro saudavel.

Depois de ter tentado na minha area, nao consegui em lado nenhum. Virei-me entao para as lojas, caixas, ou seja, deixei curriculum em tudo o que era centro comercial na area de lisboa. embora me tenham contratado ao fim de um mes de espera, os meus colegas d trabalho do restaurante tratavam me como a "menina que nunca trabalhou" e "esqueceram-se" de me dar formaçao, todos os dias me atribuindo uma função nova, e dando-me ordens contraditórias.

Sentindo-me muito infeliz, desisti. concorri entao a agencias de trabalho temporario. Na area do saldanha há pelo menos 4, proximas da estaçao de metro, a New times, a Adecco, e duas cujo nome nao me recordo. fui a uma segunda, na terça agendaram-me uma entrevista e na quarta comecei a trabalhar! aconselho vivamente.

boa sorte !

Mais uma Maria

Caucau disse...

Bem, devo dizer que já passei pelo mesmo. Não desisti (dar o prazer a essas cabras? Isso é que era bom). Nos entretantos, fui procurando trabalho e só saí de lá quando arranjei outro emprego melhor (e isso esfreguei-lhes na cara, para não dizer outra coisa pior).

Aprendi com a vida que nem sempre a verdade é a melhor política (e atenção que, com esta atitude, não estou a prejudicar ninguém), por isso tive de ocultar informação no meu currículo, não para melhor, porque para a minha área já tenho o melhor, mas para pior. Quando procurei trabalhos em que não era preciso formação académica, vi-me obrigada a ocultar essa informação, para que não me dissessem "sinto muito, mas tem qualificações a mais para o lugar a preencher".

No fundo, temos de ser espertos! E fortes, porque más pessoas há em todo o lado e não devemos desistir só porque as mesmas nos fazem a vida negra. Temos de aprender a dar a volta por cima, e acima de tudo devemos agir qual caçadora astuta que observa a sua presa, e espera pelo momento ideal para, silenciosamente, a atacar.

Ofélia Queirós disse...

Eu concordo que emigrar e experimentar novos mercados de trabalho passa pela soluçao porém nao é a "chave".Eu vivo e trabalho fora de Portugal, tenho Licenciatura, estou a fazer uma especializaçao, tenho outras experiências internacionais, falo linguas etc...e no sitio onde trabalho a situaçao nao é muito diferente...portanto a soluçao é continuar a procurar algo melhor ou entao encontrar bons parceiros e criar a tua própria "movida"!!