terça-feira, 23 de novembro de 2010

Palavras que podiam ser minhas

Marilyn Monroe fotografada por Richard Avedon (uma das minhas fotos favoritas de sempre)

Nem sempre somos o que parecemos. Nem sempre falamos do que nos destrói, do que dói, daquilo que nos entristece, das angústias, dos pesadelos e dos medos. Nem sempre andamos por aí, de semblante caído, de olhos vermelhos, de cara séria e olhar angustiado, mesmo quando temos razões para tal. Nem sempre os sorrisos e as gargalhadas significam felicidade nem tão pouco tranquilidade. Nem sempre a frieza e a distância indicam que se é tal e qual assim, como nos pintam. Mas a vida é mesmo assim, cheia de contradições.  Resta-nos ter cuidado nos julgamentos que se fazem e esperar que o bom senso impere em cada opinião que é formada por cada um de nós.

Escrito pela minha amiga Sofia, no seu Dias Assim

5 comentários:

Caramela disse...

também podiam ser as minhas palavras sem dúvida

Geri disse...

A Sofia tem esse dom, de descrever na perfeição o que sentimos em tantas fases da nossa vida. Corcordo plenamente com este post como em tantos outros.

Dirty Pretty Things disse...

Muito verdadeiro.

Rita disse...

Gostei muito! Revi-me por inteiro no que ela disse. *

CAP CRÉUS disse...

Sabes que esta foto foi já tirada quando a sessão de fotos tinha já terminado. :-)
Nota-se a tristeza nos olhos dela e a solidão também.