terça-feira, 23 de março de 2010

Ainda os corta-interesse


Naomi Watts fotografada por Peter Lindbergh

Houve alguém que no post anterior frisou o ser mal educado como um dos maiores corta-interesse, que se reflecte, por exemplo, no acto de tratar mal um empregado de mesa. E veio-me imediatamente à lembrança um encontro que eu tive há uns dez anos.

Eu já achava que o rapaz tinha um bocadinho a mania que era bom e que era melhor do que os outros, só porque tinha meia dúzia de tostões no bolso e uma profissão que lhe dava algum poder sobre muita gente. Mas a coisa piorou quando um dia fomos jantar só os dois (nem sei onde estava com a cabeça quando aceitei o seu convite).

Além da arrogância constante com que tratou os empregados de mesa desde o início, coisa que me deixou doente (detesto quando o fazem), a gota de água final foi, a dada altura, chamar um deles e pedir-lhe para ir comprar um maço de tabaco (a máquina estava no piso de baixo, no exterior do restaurante) para sua excelência. Ora o senhor era empregado de mesa, não era empregado dele, mas, talvez em estado de choque, lá desceu e lá lhe trouxe o maço de tabaco.

Eu já estava envergonhadíssima e possessa com tudo aquilo, tanto, que já não conseguia disfarçar o incómodo que ele me estava a causar. E foi aí que lhe disse tudo o que queria e o que não queria dizer.

Depois desse jantar, nunca mais falámos.

16 comentários:

Faz de Conta disse...

É assim mesmo! Nem sempre é fácil dizer o que pensamos, principalmente quando sabemos q a reacção não vai ser a melhor, mas há situações em temos mesmo de pôr as pessoas no seu devido lugar... Do que mais me irrita é mesmo a mania que algumas pessoas têm que são melhores que as outras.

Mami disse...

Assim é que se faz, também não tenho paciência para quem pensa que é superior aos outros.

Cris disse...

Livrou-se de boa, com toda a certeza.
E ainda lhe disse umas verdades. Deve saber mesmo bem. :)

Pepino e Tomates disse...

Fizeste tu muito bem.

cristina.viula disse...

Se houvesse mais Kitty Fane`s neste mundo, como seria tudo tão diferente. Para melhor, claro.
Beijo,
CrisV

Aninhas disse...

Ora nem mais. Tiveste a melhor das atitudes.

Uma coisa que também me corta logo o interesse é que o rapaz seja preconceituoso. Detesto, de bestial passa logo a besta.

Bjx

Alexandra disse...

Bem... Tive experiência idêntica, excepto que ele apenas revelou essa faceta quando já namorávamos. Fiquei para morrer. Não suportava aquela mistura de arrogância e intolerância.

Lógico que terminou aí.

Allie disse...

E se te disser que uma vez fui sair com um que ao estacionar o seu carro gritou ao "arrumador" que me ia abrir a porta, para não tocar no carro? Não gosto dos "arrumadores", é certo, mas ainda não cheguei ao ponto de os tratar abaixo de lixo.

Sandra disse...

Eu avalio sempre a maneira como algum potencial namorado/ amante etc trata as pessoas, como por exemplo empregados de mesa e de balcão. Tendo trabalhado alguns anos atrás de um balcão sei por experiência própria como é fácil as pessoas confundirem empregado com criados.

Portanto se o potencial D. Juan for educado com as pessoas sobe imenso na minha consideração.

She's only happy in the sun! disse...

Ui, esses são logo para pôr a andar!
Há uns tempos tb me aconteceu uma gira. Saí umas quantas vzs com um rapaz (e esse foi o erro maior, ter sido mais de uma vez) que tb tinha a mania. Por azar, saímos no dia dos namorados, quando não o éramos. Jantámos naquele restaurante do último andar do El Corte Inglés e tb foi vê-lo a toda a hora a falar mal aos empregados. Tb o chamei à atenção e dps ralhou foi cmg.
Aos 26 anos já ele tinha no trabalho um cargo de poder, e um Porsche estacionado na rua. E dps gaba-se que fazia chorar as pessoas. Incrível... Triste.

rosaamarela disse...

copiei dos outros post:

Que seja pouco perspicaz;
os dentes;
Olhar para os pés e para o que têm calçado.(mas isso até faço com as mulheres...);
falar mal;
tratar os empregados por tu e tratá-los mal.

Bags&Books disse...

Fizeste tu muito bem!!!

:)

António Prates disse...

Penso que além do muito ou do pouco que cada pessoa expõe nas linhas que escreve, ou de alguns outros caracteres que alindam as criaturas que somos, os corta-interesse divergem muito de pessoa para pessoa. Como diz o velho ditado: “Cada ovelha procura a sua parelha.” E assim sendo, certamente que também haverá mulheres que gostam de subjugar os empregados de mesa e tudo o que mexe em redor da sua sobranceria ilusória. Há pessoas que absorvem de tal forma esse papel principal, no teatro desta vida, que a sua representação a preto e branco não lhes deixa sequer enxergar os outros filmes mais coloridos...

Na minha maneira de ver: os olhos das pessoas predizem a sua essência, as suas atitudes exibem-nos o que são, e as palavras fluentes que escrevem revelam o que o olhar nos prediz.

E o amigo Fernando Pessoa escreveu: “Quando escrevo, visito-me solenemente.”

M. disse...

Imagino que devas ter apanhado um taxi para ir embora dali...Não???
Ainda assim, valeu bem a pena, deveriamos todos dizer aquilo que pensamos no momento exacto que acontecem, com educação mas sem rodeios... Só assim teriamos uma sociedade honesta e sincera....

BJNHS a "M"

Paulo Nunes disse...

Humm mas isso não se vê logo num 1º contacto?
Já conheci dezenas de mulheres que, só pela maneira de falar, pela maneira de andar e pelo que diz.. nem vale perder o latin com elas! isto para amizade ou outra coisa mais séria.
Eu tenho um personalidade forte e sei muito bem o que quero. mas isso não se traduz em tratar mal ou ser mal educado com as pessoas, as vezes tenho pouca paciencia porque vejo que ando rodeado de patos/patas chocas! Quem me conhece sabe disso!
A solução.. é fazer logo uma boa filtragem!
Beijinhos

Ana disse...

Detesto isso... Mania de merda que os portugueses têm de pensar que o Doutor, Engenheiro ou Arquitecto lhes dá estatuto!