segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

As etapas de uma relação


Audrey Hepburn e William Holden em "Sabrina"

O normal numa relação é conhecer alguém (ou pode conhecer-se já), sair com essa pessoa durante uns tempos, fazer o amor, passar muito tempo com ela - férias, fins-de-semana fora, temporadas em casa um do outro, viver com essa pessoa, casar ou não, ter filhos. Isto é o normal. E para uma relação dar certo, convém não saltar etapas. O que não quer dizer que a Maria lá do escritório e a Paula do ginásio, não tenham saltado etapas e as coisas não tenham corrido bem. São a excepção. Porque na verdade a maior parte das relações falhadas, falharam porque a pressa era tanta que se decidiu saltar uma ou outra etapa. E depois falta a intimidade e a cumplicidade que, em geral, se adquire com o tempo que se passa com o outro. E não estou a falar da intimidade para fazer sexo, isso qualquer um o faz, estou a falar da intimidade para se partilharem as coisas mais insignificantes - acordar juntos, ver o outro despenteado, ver a tampa da sanita levantada e cheia de pingos, em suma, conviver bem com os hábitos do outro.

Hoje em dia é tão fácil as relações falharem, mesmo fazendo tudo certinho, que saltando etapas as probabilidades ainda são maiores.

23 comentários:

Feiticeira disse...

Concordo a 100%. Eu ainda preciso de tempo para me habituar à coisa da tampa da sanita. A verdade é que lhe custa a ele baixá-la tanto como a mim levantá-la mal a acabo de usar para ele a ter preparadinha, mas é algo que me custa a aceitar. É necessário tempo e intimidade para nos ajustarmos e sentirmos verdadeiramente cómodos com outra pessoa...

Maçã e Canela disse...

Concordo plenamente.
O problema é querer-se ir depressa demais, viver tudo como se o mundo acabasse hoje.
" Cada coisa a seu tempo tem seu tempo" e o amor tem o seu também

Clara disse...

eu [assumidamente ignorante em assuntos românticos] a única coisa que sei é que nestas coisas não há regras. podes fazer tudo bem e correr tudo mal. se houvesse uma [ou várias] receitas para acertar na coisa a vida seria certamente mais simples. e mais aborrecida.

Pequenina* disse...

Hummmmmm...depois de 3 anos a conviver com quase tudo isso (exceptuando a parte do casada, viver juntos (a tempo inteiro) e ter filhos) digamos que chego a conclusão que não percebo nada de relações!
Nada!
Não existe algures uma fórmula que nos diga que quando conhecemos alguém, é mm O tal?
Eu sei que isto de se saber tudo antes de acontecer é mto aborrecido e não sei que, mas de certeza que ajudaria imenso e evitaria de cometermos (alguns) erros e de chegarmos à triste conclusão que foi talvez uma grandessissima perda de tempo!

Mas de qq forma, saltar fases aumenta exponencialmente as probabilidades de a coisa correr muitississimo mal. Obvio que existem sempre as excepções à regra, mas não podemos ser sempre as excepções e normalmente até somos a regra!

Oh vida cruel! =)

beijinho ***

Paulo Nunes disse...

Muito bem! às vezes supreendes-me! :)
Realmente faltam as etapas criticas de uma relação! Hoje em dia é tudo à pressa... querem relações rápidas... estar apaixonadas... depois vai o fogo... e o que fica? nada!
Digo sempre isto às minhas amigas.... uma relação duradoura são 70% saber viver em comum e 30% ter afinidades com a outra pessoa.. o que inlcui o gostar, o amor, paixão etc etc!
Quem não sabe viver em comum...... os 30% evaporam-se rapidamente!
beijinhos :)

Cate disse...

Concordo, apesar de reconhecer que nem sempre é assim tão linear.

Anônimo disse...

Tentar racionalizar o amor, ou o viver juntos, é a coisa mais disparatada que pode haver.
Etapas... Disparate!
Cada tacho tem a sua tampa e mais nada.

Tempo para habituarmo-nos à tampa da sanita levantada... hahahahah Isto é coisa de gente,mulheres, chatas, piquinhas e egoístas. A tampa está pra cima, é só pôr para baixo; do mesmo modo que quando nos queremos sentar, temos de puxar a cadeira para fora.

Fuschia disse...

Eu vejo as coisas mais como maturidade, mas podemos estar a falar da mesma coisa com palavras diferentes. Eu sempre gostei de fazer tudo devagar, mas mais porque demoro a adaptar-me a dividir o meu espaço e a minha vida com outra pessoa e sempre preferi saborear cada etapa devagarinho.

Se calhar a Paula do ginásio e a Maria do escritório não saltaram etapas, mas fizeram-nas a correr, tão rápido que de fora as pessoas não as viram. Ou então saltaram mesmo, porque já tinha experiência de vida para isso.

Mas concordando contigo, já vi muitas pessoas, levadas pela paixão inicial, a fazerem tudo sem pensaram e a matarem relações pela asfixia. Mesmo numa relação apaixonada, muitas decisões devem ser tomadas com a cabeça, por forma a salvaguardá-la. Mas quando se dá conta dos erros, já ela acabou...

art.soul disse...

tens anónimos mesmo engraçados! lol

é isso mesmo.

Mister Peter disse...

Embora não exista uma fórmula certa para que um relacionamento perdure no tempo, concordo duas coisas que escreveste: o sexo não é o pico da intimidade; muitas pessoas saltam, sofregamente, algumas etapas e depois apanham com valentes baldes de água fria mais à frente.

margarida disse...

O que me assusta é que não sei o que se passa hoje em dia com os casais que leva a tantos divórcios. Suponho que seja o fim de um sonho e um projecto de vida e que isso dói sempre, muito. Tem que haver qualquer coisa errada (comparando com a geração dos nossos pais) para dar tudo mal.
Como a minha avó me disse uma vez "também se fazia de tudo, mas as pessoas eram mais discretas". Já não sei o que pensar.

Anônimo disse...

Lol...etapas, hás-de lá chegar mas não com racionalizações e muito menos com séries de televisão que idealizam a vida e trazem problemas solucionáveis com frases feitas, pois estes produtos só fomentam comportamentos anais.
Boa sorte.

hierra disse...

São precisos muitos post destes para perceber...porque há pessoas que acham que com elas é diferente, com elas é especial, com elas as coisas são boas e essas nunca vão perceber...

EU_SOU_EU disse...

Nunca morei com ninguem...a não ser a familia directa...nunca passei mais que uma noite em casa de uma mulher que fosse minha namorada...nem mesmo férias... mas não sou diferente de ninguém...e concordo que hoje em dia...salta-se muitas etapas essenciais para que possamos fingir que estamos felizes...quando na sua grande maioria isso não é verdade... Procura-se uma pessoa para estar a nosso lado...em vez de se procurar um companheiro para dividir a VIDA...

Rita disse...

ontem fui a exponoivos ter c uma amiga q la estava a representar a empresa dela. no stand dela e nos que estavam ali perto eram so divorciados q diziam "coitados, mais de metade destes casais no prazo maximo d 3 anos estao a divorciar-se"... medo!!!

Anônimo disse...

Nem mais Kitty...
Há uns tempos cheguei á conclusão que foi isso que estragou a minha relação... A paixão era tanta que queriamos tudo e dps ao fim d um ano, quando supostamente é uma altura em que deveriamos avançar para outra fase não, ja nao havia mais para descobrir, ja não havia mais fase para avançar isto pk ao fim desse msm ano ja viviamos juntos, casa comprada e animal domestico... A rotina estava criada e completamente tediante!Tive muita pena mas serviu de lição... O amor pode ser mt mas calma... Cada coisa a seu tempo...
Agr ja sei que nao me devo atirar de cabeça, se as coisas tiverem de ser, serão! E apressa-las não melhora em nada, plo menos a longo prazo...
: )
By: juh

I. disse...

Cada caso é um caso. Eu saltei imensas etapas e, até ver, está a correr muito, muito bem (já lá vão 4 anos e meio).

Anônimo disse...

Não estou totalmente de acordo. Há relações ultra-sónicas que funcionam e depois há as outras em que nenhuma etapa é deixada para trás, que o convívio em casa do outro até é longo, há férias de 1 semana, há a tampa da sanita levantada e o hálito matinal também... Penso que a questão do feitio é fundamental. Há feitios que não conseguem viver em comunhão com o outro. Há feitios que são demasiado preguiçosos para o bem do casal. Acredito sinceramente que há pessoas que não foram talhadas para viver junto...e a essas dificilmente se dá a volta, independentemente do grau de amor e envolvimento emocional com o outro...

Cátia Afonso

Calíope disse...

Há casos e casos e essas coisas todas. Mas eu precisava mesmo de ter ouvido/lido isto... agora! :) Obrg!

Carla disse...

Também não é fácil quando se deixam arrastar determinadas etapas...nem pa frente nem pa trás...e vá se lá saber porquê...

luciana teixeira disse...

e o pior é que, pulando etapas, até o sexo já não sai mais direito como sairia com qualquer um...

acredito nisso mesmo, estou de acordo!

LiaFreitas disse...

Este filme é absolutamente genial!
A Audrey foi das melhores actrizes de sempre!

Pedro Bom disse...

Acho este post divinal e muito real.
Deixar de viver nos contos e passar à pratica, mesmo que não tenha algumas coisas aqui relatadas!!