domingo, 4 de outubro de 2009

A minha família


Elenco da série "Brothers and Sisters"

Eu tenho uma família grande. Daquelas que enchem uma casa. E já nem falo dos tios e das tias. Dos primos e das primas. Já nem falo dos avós que perdi há anos. Falo apenas dos pais, dos irmãos e dos sobrinhos.

Somos seis irmãos. Mais as cunhadas e o cunhado. Mais os oito sobrinhos. O que dá um total de cerca de duas dezenas de pessoas. É bom. É muito bom. Sobretudo quando nos juntamos todos em dias de festa. Quando comemoramos alguma alegria. E têm sido muitas, felizmente.

Mas o problema das famílias grandes é que, da mesma maneira que as alegrias são muitas, as tristezas também chegam sempre em demasia. E nós já tivemos direito a tudo. Já tivemos doenças graves, já perdemos um sobrinho da forma mais contra-natura posssível (como se não fosse sempre contra-natura perder uma criança), já passámos por momentos muito maus, terríveis mesmo. No entanto, tudo isto nos tem fortalecido. Muito. Já não nos vamos abaixo com qualquer coisa.

Mas, sempre que chega mais um problema a um membro da família - mais um a juntar a todos os outros que já tinha - custa sempre. Muito. É doloroso ver alguém que amamos sofrer. Mas temos de acreditar sempre. É o que estamos a fazer. A torcer. A pedir a todos os anjinhos que o ajudem mais uma vez. Ele vai precisar.

27 comentários:

Anônimo disse...

Kitty vou te fazer uma crítica que espero que não leves a mal mas escrever habitualmente e permitir comentários habitua as pessoas a que sempre isso aconteca mas nem sempre isso é assim, às vezes escreves ( não és só tu mas leio este blog ) e não permites comentários, entendo que sejam assuntos delicados mas será que mesmo nos assuntos delicados os leitores anónimos ou não, não possam dizer algo a respeito? No fundo nem é bem uma crítica é uma reflexão :)

K disse...

Muita força! Percebo bem o que estao a passar (mesmo sem saber detalhes, nem e' preciso). E' optimo que sem mantenham unidos. FORÇA!!!

Miss Complicações disse...

Olá Kitty,
Hoje tirei umas horinha para espreitar os blogs que gosto. Hoje encontrei algo diferente, mas que não me deixou indiferente. Numerosa ou não a família é o pilar da nossa vida e é nela que reside a força para enfrentarmos as rasteira que a vida nos prega. Também a minha está mais unida que nunca. Vamos lá Kitty, dar força a essa gente, que também precisamos dela! :)

Anônimo disse...

Independentemente do que seja, até porque o importante é que se trata de algo grave, que tudo seja ultrapassado, com o desfecho desejado…
Se forem crentes, que encontrem no divino a força, o ânimo e a coragem tão necessários nestes momentos particularmente difíceis.
Um beijinho grande de apoio e solidariedade,
R

Z. disse...

que terror! isso deve ser um gasto na epoca do natal! thank god que sou filho unico! chuva de presentes, YEY!

Z. disse...

Mas obvio que a familia esta unida nos tempos dificeis quer seja grande ou pequena. Força! ;)

Quicas disse...

Força...

Ana Princesa disse...

muita foça kitty! a família é tudo de bom!

Laetitia disse...

Kitty a família é mesmo o nosso chão, o nosso porto de abrigo, a nossa alegria e tudo mais. E a única coisa que te posso dizer agora é que é preciso ter força e acreditar até ao fim. E claro, embora só te conheça virtualmente, ofereço a minha ajuda caso necessites de alguma coisa em que possa de facto ajudar.
Um abraço apertado.

Ana C. disse...

Kitty Fane o que me faz voltar a este blog vezes sem conta é a diversidade de emoções, sentimentos, acontecimentos com que vais sempre colorindo os teus textos.
Tal como uma família grande nos enriquece pela diversidade no bom e no mau, também tu fazes deste espaço uma espécie de casa onde se arranja sempre espaço para mais alguém se identificar, ou não com o que escreves.
Quanto ao resto vão saber apoiar-se no que quer que venha por aí e no final o que importa é não estarmos sós.

prada disse...

Não te deixes abater.
Força e muito ânimo, vais ver que tudo há-de acabar bem.
As melhoras dessa pessoa que te é tão querida.

Maria e Companhia disse...

Muita coragem e força interior a todos os familiares para que possam dar apoio e carinho ao familiar que tanto está a precisar... É mesmo muito duro ver quem amamos sofrer...

Desejo as melhoras sinceras...

Maria & Companhia

MAC disse...

Também tenho uma família muito grande e não consigo imaginar o que seja estar em famílias pequenas, até consigo, acho, mas gosto de mais da sorte que tive. Como dizes, comemoramos e partilhamos muitas ocasiões de felicidade e são muitas, porque somos muitos. Depois temos também as dificuldades e coisas más em quantidade, porque continuamos a ser muitos e quando algum de nós não está bem, ou a vida o fez tropeçar, havemos de continuar a ser muitos a apoiar, a estar e a resolver. A verdade é que nunca estamos sós e isto é muito confortável e saboroso.

Por sermos muitos, também temos tido muitas perdas e, até também, a de uma criança. A morte de uma criança é devastadora e arrasa uma família inteira. Acho que só conseguimos sobreviver, porque temos uma família assim. Nem quero imaginar o que seja em famílias com três ou quatro elementos. Não há doenças e mortes justas. Talvez só consiga aceitar, se é que se pode falar em aceitação, quando as pessoas morrem muito velhinhas. Devia ser sempre assim. Tinha que ser sempre assim. Nascemos, crescemos, casamos, temos filhos, depois os netos e só quando já muito velhos nos faltam as forças, então o corpo poderia falhar e deixar-se morrer. Com a natureza é assim.


E contrariamente ao que poderia ser previsível, as perdas não me trouxeram angústias, medos ou desalentos. Ás vezes, aparecem umas nuvens mais escuras, não vou mentir, mas passam com um vento bom qualquer. Aprendi com a minha família, a não deixar que o orgulho me trave. Porque é aqui que as coisas se resolvem. Bocas caladas de afectos a nada levam, porque o amor não se quer com silêncios incómodos. Braços vazios de abraços, que nada alcançam. Pedidos de desculpa, quando erramos. Se calhar é por isso que sou uma destravada. Não sei se é melhor, mas tenho tido muita sorte, porque nunca lamentei o que ficou por dizer, o que ficou por amar ou o que ficou por fazer.

Aprendi com eles, que o nosso tempo é precioso, para não deixarmos os nossos filhos, a serem educados pela Playstation, para darmos fins de vida dignos aos nossos velhos, para estarmos todos juntos, para estarmos com os amigos.

Os natais não são tão fartos em prendas, pois não, mas são fartos em conversas, barulho, risos e afectos. E comemoramos os aniversários, os casamentos, os nascimentos, os baptizados e estamos sempre juntos e uns para os outros, aconteça o que acontecer. Quem está de fora diz muitas vezes, que parecemos ciganos. Acho que é verdade, a nossa identidade quase que não se distingue da família e funcionamos quase sempre em grupo. A minha avó materna, a cada casamento dos nove filhos, dizia “ganhei mais um filho” e depois também o ouvi à minha mãe e tias.

Bom, isto já vai demasiado longo, tudo para te dizer que tenho a certeza que sabes tão bem, ou melhor do que eu, que seja o que for que esteja a acontecer, o melhor tratamento que pode haver é a família, as presenças e o afecto. Força, vai correr tudo bem.

Um grande beijinho para ti.

R. disse...

A verdade é que quem tem familias grandes, está "habituado" a isso. Custa muito é verdade, mas temos de ser fortes, porque quem mais precisa vai sentir isso. Bj

BlueAngel disse...

Não importa o tamanho da família quando há UNIÃO qualquer má notícia é uma nuvem escura. Sei do que falo, porque já tive uma família na qual se reuniam cerca de três dezenas (sim, 30 pessoas) no Natal e era tudo uma festa. infelizmente, já não é assim, somos menos mas quando é preciso estamos unidos seja bom ou mau.
Kitty, força para todos!!! :DDD De anjinhos percebo eu. ;-)

Mnemósine disse...

Espero que corra tudo bem e que fique apenas mais uma história para contar.
Força para ti e para a tua família!

Miss Glitering disse...

Kitty,

Que toda essa força de uma família grande, onde o amor se multiplica, somada à de tantos que a estimam, seja a oração mais poderosa para que o seu familiar fique bem.

Um beijinho.

Bituca disse...

muita força para ti e para a tua família! :)

Gaja com G maiúsculo disse...

Kitty Fane o mais importante é teres uma família numerosa e unida, sabes acho que é das maiores ''bençãos''que podemos ter nesta vida...
A minha família não é mto numerosa, nem muito unida, e é algo que me faz falta. Por isso desejo-te toda a força e sorte deste mundo. Pensamento positivo, ein?

Beijinhos

Anônimo disse...

Como anónima que venho sempre visitar-te vou "meter uma cunha" ao meu anjo da guarda por ti!
Força neste momento, Kitty Fane.

lu disse...

E depois há aquelas famílias que andam sempre zangadas, porque a arrogância e a avareza pairam, constantemente, nas suas cabeças. Falam mal uns dos outros, rogam pragas e dizem coisas inimagináveis e que magoam muito. Escusado será dizer que esta família é a minha. As guerras são constantes. Não são todas as pessoas da família, o que já não é mau. Custa muito ouvir, depois de falarmos da doença do meu pai (que o levou em Abril) que a culpa foi dele, porque não adoptou um estilo de vida mais saudável. O apoio ficou sei lá onde. E depois há mães com um coração enorme (como o da minha mãe), que aguentam tudo e tudo e tudo... Muita força para ti. Sei bem o que é receber uma notícia que nos deixa completamente down... Espero que corra tudo pelo melhor!...

lu disse...

Só mais uma coisa: recebi por um email uma mensagem engraçada. Sabes a palavra FAMILY? Desdobra-se em: Father and Mother I Love You (repara nas iniciais de cada palavra. Cool, não?
:)

Anônimo disse...

Força Kitty!

Que tudo corra pelo melhor e que sejam tempos breves...

Um beijinho.
Cátia Afonso

Feiticeira disse...

Força! Hoje vou rezar pela tua familía. Espero que tudo corra bem...
Um beijinho!

Rainbow disse...

Força! ;)
Fiquei admirada com a dimensão da família!

Precis Almana disse...

Sei do que falas, embora sejamos "só" 4 irmãos. Com cunhadas, sobrinhos, cunhado e enteado de irmão, somos 14...
Força vai haver, com certeza. Além dela vai ser preciso pensamento positivo (os católicos chamam fé) e tempo. Junta isso ao amor e a solução há-de surgir. Essa, ou a serenidade.

Textículos disse...

Força, para todos vocês! E as melhoras o teu familiar.