domingo, 20 de setembro de 2009

Eu também tinha de falar do Patrick Swayze


Jennifer Grey e Patrick Swayze em "Dirty Dancing"

Senti muito a morte do Patrick Swayze. Fui mais uma que viu o "Dirty Dancing" mil vezes na adolescência. Que dançava e se imaginava a Baby. E que gostava moderadamente do seu actor principal. Não o adorava como actor. Não era fã dele. Mas tinha uma simpatia grande por ele. No entanto, senti muito a sua morte. Talvez por saber do seu sofrimento nos últimos dois anos e da luta inglória que travou, e por achar que depois de tanta dor merecia pelo menos andar por cá mais uns anos com qualidade de vida. Merecia mesmo. Por isso chorei quando soube da morte dele, como choro quase sempre que vejo alguém partir vítima de cancro.

12 comentários:

Anônimo disse...

Hje revi o filme e chorei.. chorei porque o filme é belo chorei porque ele era carismático chorei porque era também um grande actor discreto e nada vedeta como muitos que andam por aí. A minha infância perde-se com estes tristes acontecimentos.

Laetitia disse...

O pior é que infelizmente há cada vez mais casos de cancro espalhados por esse mundo fora.
Já vi partir familiares vitímas de cancro, e é de facto muito, mas muito triste mesmo.

Miss Kitty disse...

Também eu...
E hoje lá voltei a ver o filme. Parece que nunca enjoa...

BJS*

Celinha 007 =) disse...

Vou ver o filme daqui a pouco... =) *

Anônimo disse...

Também chorei quando soube que ele tinha morrido. O ídolo da minha adolescência... Parece que nunca envelhecem, nunca sofrem, nunca morrem e, afinal... Agora, ando sempre com as músicas do Dirty Dancing na cabeça! Adorei esse filme. Lamento imenso que ele tenha perdido a batalha contra o cancro.
R.I.P., Patrick.
Ah, escolhi "anónimo" porque me dava sempre erro quando tentava escrever o meu nome.
Luciana

Paula disse...

...Nobody puts baby in the corner...inesquecivel.Muito triste,sobretudo porque é sempre triste perder assim uma batalha...

Anônimo disse...

Sou mais uma das viu o "Dirty Dancing" vezes e vezes sem conta, ao ponto de saber as falas de cor. Penso mesmo que o filme marcou a minha passagem da infância para a adolescência.

A notícia da morte de Patrick entristeceu-me bastante.Por um lado, porque gostava dele como actor (e consegui fazer-me sonhar acordada tantas e tantas vezes);depois, porque não consegui vencer talvez a mais dura batalha na vida de uma pessoa. Ninguém merece tanto sofrimento...

Milas

Anônimo disse...

Há pelo menos mais um grande papel deste actor: o Bodhi de Point Break. Fantástico!

Sónia

Anônimo disse...

Ontem revi o filme...chorei...por ele e por mim!
Alguem simples e muito lutador mas que, infelizmente, perdeu esta luta com a morte! Que me fez acreditar que um dia tambem teria alguem que lutaria por mim e que me faria sentir mulher...e esse sonho, da adolescencia, tambem morreu! mimi

Rafaela disse...

Tocou-me o teu post, querida.
Porque sei que esta doença é algo que te diz muito e compreendo as tuas lágrimas.
Eu também senti a morte dele de uma forma especial, não porque gostasse dele como actor, não vi nem sequer muitos filmes com ele...mas aquele papel, aquele filme foi um marco na minha infância e adolescência. E a sensação que os nossos marcos estão a desaparecer deixa-me um bocadinho sem chão.
Se calhar crescer e envelhecer significa isto mesmo.

Um beijinho,

Rafa

CarlaB disse...

Como me identifiquei com cada palavra que disseste.

Sofia disse...

ontem vi o filme, pela primeira vez, e agora percebo o porquê de toda esta tristeza... nobody puts baby in the corner!